Sem oceanos, um futuro impossível

A Organização das Nações Unidas declarou que os anos de 2021 a 2030 serão a Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável. Mas, afinal, por que todos nós precisamos proteger o principal componente de nosso planeta?

O oceano é o principal componente da superfície da Terra, representando 71% do planeta
Foto: Haroldo Palo Jr.

Mergulhar no mar, se divertir na praia, passear de barco… Costumamos associar a palavra ‘oceanos’ a imagens que nos trazem alegria. Mas os oceanos oferecem aos humanos outros benefícios. Para tratar desse tema, é preciso navegar também para além da zona costeira, e se envolver em uma rede socioambiental, cultural e econômica que está atrelada à nossa vida cotidiana(figura 1). Compreender isso nos transforma em cidadãos dispostos a defender os oceanos e o uso sustentável de seus recursos. Por isso, a Organização das Nações Unidas(ONU) proclamou os anos de 2021 a 2030 a Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, mais conhecida como Década dos Oceanos. Mas qual a relação disso tudo com nosso cotidiano? É disso que vamos tratar a partir daqui.

A zona costeira é o ambiente marinho que a população, incluindo os cientistas, mais conhece. Mas é preciso ir além quando se trata da proteção dos oceanos e do uso sustentável de seus recursos
Foto: Haroldo Palo Jr.

Um só oceano

Os cinco oceanos (Atlântico, Pacífico, Índico, Antártico e Ártico) cobrem juntos mais de 70% da superfície da Terra. Apesar dessa divisão geopolítica, o oceano, termo que adotaremos daqui em diante, é único e contínuo, abriga diferentes ambientes e ecossistemas e conecta todas as regiões globais.

As águas rasas na zona costeira possuem elevada biodiversidade, distribuída em ecossistemas como as praias arenosas, manguezais, estuários, costões rochosos, recifes de corais, dunas, restingas e fundos arenosos que se expandem pela plataforma continental, em profundidades que chegam até 200 metros(figura 2). Esses são os ambientes que a população (inclusive os cientistas) mais conhece e de onde obtém a maior parte dos recursos.

As águas rasas na zona costeira são ambientes com elevada biodiversidade, distribuída em ecossistemas como os recifes de corais (na imagem)
Foto: Sgr/Unsplash

Entretanto, a maior parte do oceano possui profundidades maiores, em média de 3.688 metros, e com regiões abissais ainda mais profundas, chegando a 11.000 metros. Essas regiões são ainda menos conhecidas e exploradas, desafiando a ciência.

Para se ter uma ideia, mais humanos estiveram na Lua do que no ponto mais profundo do oceano, a Fossa das Marianas, no Pacífico. Somente três pessoas conseguiram chegar lá, entre elas, o diretor de cinema James Cameron, que realizou a façanha em 2012.

 

Essencial para a vida

A vida começou na água. O oceano abriga a maior biodiversidade do planeta e vem dele a maior parte dos recursos para o nosso modo de vida atual, os chamados serviços ecossistêmicos(figura 3). Alguns deles são diretos e mais conhecidos, como pesca, lazer, esportes, navegação, atividades portuárias e extração de recursos minerais, petróleo, gás e, mais recentemente, energias renováveis e produtos biotecnológicos (figura 4).

O oceano é o ambiente com maior biodiversidade do planeta. Nele encontramos desde organismos microscópicos até cetáceos gigantes, como a baleia-franca
Foto: Haroldo Palo Jr.
O oceano nos fornece a maior parte dos recursos para o nosso modo de vida atual, por meio dos chamados serviços ecossistêmicos, como pesca, navegação, atividades portuárias e extração de recursos minerais, petróleo, energias renováveis, entre outros.
Foto: Mariana Caparelli

Outros serviços ecossistêmicos são indiretos e nem sempre tão perceptíveis. Por exemplo, pesquisas mostram que estar próximo ao mar previne doenças e promove o bem-estar. Além disso, o oceano é um dos maiores responsáveis pela regulação do clima no planeta, não só da zona costeira, mas também das áreas continentais.

São alterações nas condições oceano-climáticas, que ocorrem em mar aberto, que impactam as populações humanas com os chamados eventos extremos, ciclones, ressacas marinhas, inundações, variações de temperatura e até o aumento dos períodos de seca ou de chuvas intensas nos continentes. Essa regulação climática influencia diretamente agricultura, pecuária, volume de água dos reservatórios naturais e bem-estar humano, com efeitos ambientais e socioeconômicos.

Quando reconhecemos a variedade de serviços ecossistêmicos marinhos, vemos de forma mais evidente como somos beneficiados pelo oceano. Entretanto, nosso uso e exploração desses serviços nem sempre se dá de forma sustentável, e impactos acumulados têm levado a perdas na estrutura, na função e nos serviços desses ecossistemas.

 

Lixo, esgoto e mudanças climáticas

O lixo no mar mostra como as ações humanas podem degradar o ambiente(figura 5). Mas, infelizmente, essa é só a ponta do iceberg: o oceano vive hoje sob influência de múltiplos impactos que ocorrem paralelamente, muitas vezes, de forma sinérgica. A poluição marinha vai além do lixo e inclui tudo que descartamos no esgoto, quando este não é tratado devidamente, como remédios, detergentes, produtos de limpeza; além do derramamento de óleo e outros efluentes químicos da indústria petroquímica e dos portos. A esse cenário, somam-se diversos outros impactos, como a sobrepesca comercial, a ocupação irregular da região costeira, a destruição dos hábitats e o turismo desordenado.

O oceano vive hoje sob influência de múltiplos impactos, como o descarte de lixo
Foto: Aline Martinez

E não podemos deixar de falar das mudanças climáticas. Apesar de ser um tema que causa discussão, os efeitos das mudanças climáticas são facilmente observados, seja pelo aumento do nível do mar, pela acidificação dos oceanos ou pelo aumento dos eventos climáticos extremos. Considerando que a maior parte da população mundial vive na zona costeira e dado o aumento populacional esperado para as próximas décadas, fica fácil entender o sinal de alerta que a ONU nos traz neste momento: precisamos urgentemente refletir sobre nossa relação com o oceano.

 

Sustentabilidade e ciência

Para entender o objetivo da Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, é preciso relacioná-la a dois grandes conceitos: ciência e desenvolvimento sustentável. Esses são conceitos fundamentais para todas as medidas mais práticas esperadas entre os anos de 2021 e 2030.

Pensar na oceanografia e em outras ciências como suporte para os governantes trabalharem no desenvolvimento sustentável é reconhecer o papel fundamental da ciência para a tomada de decisão. E esse papel precisa estar cada vez mais claro para todos os setores envolvidos: pesquisadores, tomadores de decisões, sociedade civil, empresários e cidadãos.

A pesquisa, muitas vezes reconhecida apenas como geração de conhecimento e disseminada na comunidade científica, tem o papel fundamental de subsidiar políticas públicas e formação de cidadãos conscientes. Para isso, precisamos entender o método científico, suas etapas, seu rigor e a validação pelos pares. Essa etapa é realizada pela publicação em revistas científicas de ampla divulgação internacional, permitindo que a comunidade acadêmica mundial possa interagir.

No entanto, precisamos ir além, fortalecendo as publicações científicas como um meio e não como o fim da produção do conhecimento. A ciência precisa estar diretamente ligada tanto às lacunas de conhecimento quanto às demandas que subsidiem estratégias de adaptação e formulação de políticas públicas. A comunicação entre pesquisadores e tomadores de decisões precisa ser ampliada. Os artigos científicos, essenciais para o desenvolvimento da ciência, devem embasar documentos de linguagem clara e acessível que deem suporte às políticas públicas globais.

 

Tripé ciência, políticas públicas e sociedade

A mesma lógica da interface entre ciência e tomada de decisão se aplica aos demais setores da sociedade. A comunicação científica vai além da publicação dos artigos e, portanto, o público-alvo vai além dos pesquisadores. É necessário retornar para a sociedade os avanços obtidos por meio da pesquisa, bem como torná-la parte de um processo participativo de geração de conhecimento.

Engajar ciência, políticas públicas e sociedade é uma meta dos órgãos de fomento e agências intergovernamentais, e a Década dos Oceanos é uma oportunidade única de trabalharmos de forma ativa nessa integração. Pensar esse formato de produção de conhecimento se alinha diretamente com o segundo conceito essencial para entender a Década dos Oceanos: o desenvolvimento sustentável.

A compreensão científica da dinâmica oceanográfica e suas respostas sobre como gerir esses recursos e enfrentar as ameaças existentes são fundamentais para o desenvolvimento sustentável, que nada mais é do que a capacidade de suprir as necessidades da geração atual sem comprometer a sobrevivência de gerações futuras.

Uma década, seis objetivos

Para transformar nossa relação com o oceano, a próxima década se alicerça ao redor de seis objetivos primordiais:

  • Um oceano limpo, em que as fontes de poluição são identificadas, quantificadas e reduzidas, e os poluentes são removidos;
  • Um oceano saudável e resiliente,em que os ecossistemas marinhos são mapeados e protegidos, múltiplos impactos (incluindo as mudanças climáticas) são medidos e reduzidos, e a provisão de serviços ecossistêmicos oceânicos é mantida;
  • Um oceano previsto, em que a sociedade tem a capacidade de compreender as condições oceânicas atuais e futuras, prevê a sua mudança e o impacto sobre o bem-estar humano e sobre meios de subsistência;
  • Um oceano seguro,em que as comunidades humanas são protegidas dos perigos e onde a segurança das operações no mar e na costa é assegurada;
  • Um oceano sustentável, colhido e produtivo, assegurando o fornecimento de alimentos e meios de subsistência alternativos;
  • Um oceano transparente e acessível, em que todas as nações, partes interessadas e cidadãos tenham acesso a dados, informações oceânicas e tecnologias e tenham a capacidade de informar suas decisões.

Para tanto, deve-se ir além da dicotomia entre economia e conservação e englobar todas as características socioculturais, econômicas e ambientais que sejam sustentáveis no tempo e no espaço. Hoje, as metas globais para o desenvolvimento sustentável estão representadas na Agenda 2030, em 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Os ODS colocam a todos nós oportunidades de contribuir para um futuro melhor. O ODS 14, ‘vida na água’, foi escolhido como símbolo para uma discussão ampla sobre toda a Agenda 2030, lançando luz sobre o oceano, seus serviços ecossistêmicos e os desafios de governança frente aos impactos humanos.

Temos uma oportunidade de entender a complexa rede socioambiental-cultural-econômica da relação entre ser humano e oceano, nos comprometendo com uma mudança de comportamento que gere benefícios para todos os eixos da Agenda 2030, desde o combate às mudanças climáticas (ODS 13) aos esforços pela igualdade de gêneros (ODS 5). Trabalhar por esses benefícios é mais do que discutir metas de governos e agências intergovernamentais. É agir localmente por um mundo melhor. É acreditar na mudança local que beneficie o meio ambiente, as populações vulneráveis, a igualdade. É compreender que um impacto efetivo depende de que todos nós possamos aplicar em escala local aquilo que foi definido em comum acordo entre os países signatários.

Foi nesse contexto que a Assembleia Geral da ONU indicou a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) para coordenar o processo preparatório (2018-2020) da Década dos Oceanos, engajando a sociedade do planeta para planejar os próximos dez anos em ciência e tecnologia do mar e entregar, juntos, ‘o oceano de que precisamos para o futuro que queremos’, meta que se tornou o lema da Década dos Oceanos.

 

Na prática, como posso participar?

A Década dos Oceanos busca redefinir a ciência como uma produção de conhecimento por todos e para todos. Assim, empresas, organizações não-governamentais, associações, setores público e privado e membros da sociedade civil estão convidados para liderar ações que possam nos ajudar a promover grandes mudanças. O Brasil já se posicionou como importante ator na construção da Década, sinalizando que convidará representantes dos governos e especialistas de todos os países do Atlântico para uma grande consulta, no 2º semestre de 2019, sobre as prioridades e necessidades da comunidade atlântica em termos de ciências do oceano, sustentabilidade, mobilização de recursos e ativação de parcerias para atingir os objetivos da Década.

Mas isso também inclui todos e cada um de nós, independentemente de sua área de conhecimento e atuação.Uma das linhas de frente será o ensino sobre oceanos e suas relações com o cotidiano, OceanLiteracy, liderado pela Unesco como uma ferramenta de conscientização, dentro e fora das escolas. Precisamos estimular a curiosidade e fortalecer as ações educacionais curriculares, envolver as secretarias de educação e o Ministério da Educação para incluir a discussão sobre oceanos no currículo e aumentar as ações na educação não-formal.

Organizações não-governamentais podem atuar em suas áreas fortalecendo temáticas importantes, como igualdade de gênero, redução das desigualdades, erradicação da pobreza e conservação, e entendendo as relações entre essas temáticas e os oceanos. Empresas podem capacitar suas equipes e desenvolver produtos e processos sustentáveis.

Quanto a nós, cidadãos, podemos buscar como nossa profissão ou nossas ações no dia a dia podem ajudar a atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e, mais ainda, aprender e contribuir com os ensinamentos sobre o oceano e seus serviços ecossistêmicos ao longo de nossa história.

Devemos usar criatividade, conhecimento e desejo de um futuro melhor para pensar em ideias e soluções inovadoras e, principalmente, mudanças de comportamento. Quando somadas, nossas pequenas ações locais – como consumir só o que precisamos, descartar o lixo corretamente, respeitar o meio ambiente – vão gerar mudanças em escalas nacionais e globais. Devemos propor e acompanhar as mudanças, assegurar junto aos governantes a garantia da segurança do meio ambiente e do bem-estar humano. Podemos somar forças e, juntos, garantir o oceano que precisamos para o futuro que queremos.

Ronaldo Christofoletti
Departamento de Ciências do Mar,
Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista

Vinicius Grunberg Lindoso
Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI),
Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco)

Malu Nunes
Fundação Grupo Boticário

Matéria publicada em 07.05.2019

COMENTÁRIOS

  • Evelina Grunberg

    Artigo muito esclarecedor que chama os cidadaos a participar na luta pela sobrevivência do Planeta. énecessário divulgarmos também nas Universidades nas escolas e nas Organizações sociais para promover mais movimentos de defesa dos oceanos. parabéns pela iniciativa dos escritores!!!!!!!

    Publicado em 14 de maio de 2019 Responder

    • Ronaldo Christofoletti

      Olá Evelina, obrigado pelo comentário que ressalta um ponto muito importante: precisamos divulgar ainda muito mais sobre o tema em diferentes espaços e para diferentes grupos. Precisamos cada vez mais termos cidadãos engajados e participando da luta e da construção do futuro.

      Publicado em 26 de maio de 2019 Responder

  • Débora Cristina Pellin

    Pena que no conteúdo publicado não cita os agrotóxicos usados em nossos ALIMENTOS que acabam em rios e que terminam no mar.
    “A poluição marinha vai além do lixo e inclui tudo que descartamos no esgoto, quando este não é tratado devidamente, como remédios, detergentes, produtos de limpeza; além do derramamento de óleo e outros efluentes químicos da indústria petroquímica e dos portos.”

    Publicado em 17 de maio de 2019 Responder

    • Ronaldo Christofoletti

      olá Débora, excelente pontuação. Os agrotóxicos e vários outros poluentes que chegam pelos rios tem um impacto muito forte. Daremos maior destaque em outras comunicações.

      Publicado em 26 de maio de 2019 Responder

      • Anônimo

        zYBw

        Publicado em 30 de maio de 2019

  • Débora Cristina Pellin

    Pena que no conteúdo publicado não cita os agrotóxicos usados em nossos ALIMENTOS que acabam em rios e que terminam no mar.
    “A poluição marinha vai além do lixo e inclui tudo que descartamos no esgoto, quando este não é tratado devidamente, como remédios, detergentes, produtos de limpeza; além do derramamento de óleo e outros efluentes químicos da indústria petroquímica e dos portos.”

    Publicado em 17 de maio de 2019 Responder

  • Abilio Soares Gomes

    Excelente matéria sobre a importância dos oceanos.

    Publicado em 17 de maio de 2019 Responder

    • Ronaldo Christofoletti

      Abilio, todos juntos, academia, sociedade civil e organizações para fortalecer a importância dos oceanos e o papel de cada um de nós nesta história! obrigado

      Publicado em 26 de maio de 2019 Responder

  • Eduardo Gomes Pimenta

    Pertinente matéria que eleva a importância dos oceanos para a resiliência do planeta.

    Publicado em 17 de maio de 2019 Responder

    • Ronaldo Christofoletti

      obrigado Eduardo! pensar na resiliência é um passo muito importante para todo mundo, pois a qualidade de vida para todos nós depende de um planeta resiliente. Que possamos todos divulgar e agir de forma consciente neste contexto.

      Publicado em 26 de maio de 2019 Responder

    • Anônimo

      xRhk

      Publicado em 30 de maio de 2019 Responder

  • Edson Neves Valadares

    Adorei, me deu uma compreensão mais abrangente do assunto que têm entrado na agenda das discussões atuais.

    Publicado em 18 de maio de 2019 Responder

    • Ronaldo Christofoletti

      obrigado Edson! fico feliz que tenha ajudado a compreender. A Ciência Hoje tem um papel fundamental neste tipo de disseminação e é essencial que todos possam estar a par e engajados nas discussões atuais.

      Publicado em 26 de maio de 2019 Responder

      • Anônimo

        RyUq

        Publicado em 30 de maio de 2019

  • josimar Araújo de Medeiros

    Matéria esclarecedora. Evidencia a necessidade de estabelecermos uma relação pautada em práticas que corroborem com a conservação do oceano.

    Publicado em 18 de maio de 2019 Responder

    • Ronaldo Christofoletti

      olá Josimar! obrigado pelo retorno, que foi certeiro: nosso papel, de cada um de nós, em uma relação saudável e que de forma mais ou menos direta, possui uma relação com os oceanos. Se todos pensarem nas suas atitudes diárias, indivíduos e instituições/empresas e como podemos mudar para buscar um futuro melhor, certamente faremos a diferença!

      Publicado em 26 de maio de 2019 Responder

  • Paloma Arias Ordiales

    Excelente matéria. Esclarecedora. Devemos levar as escolas.

    Publicado em 18 de maio de 2019 Responder

    • Ronaldo Christofoletti

      olá Paloma. Muito bem pontuado. Precisamos fortalecer as informações nas escolas. Em setembro vamos lançar a tradução de um material da Unesco sobre ‘Ocean Literacy’ que estará em português e disponível para todas as escolas, organizações e pessoas interessadas para ajudar com mais informações e atividades.

      Publicado em 26 de maio de 2019 Responder

  • Marcos Antonio Fernandez

    Excelente matéria, é um bom ponto de partida para aumentar a divulgação das questões associadas aos oceanos.

    Publicado em 20 de maio de 2019 Responder

    • Ronaldo Christofoletti

      Perfeito Marcos. Como você bem disse, que este seja o ponto de partida para ampliar a divulgação de pautas sobre os Oceanos.

      Publicado em 26 de maio de 2019 Responder

  • Fernanda Correia Azevedo

    Excelente texto síntese sobre a importância de se conservar os oceanos, seus serviços ecossistêmicos e recursos naturais. Vamos unir forças para ampliar o debate sobre a década das ciências oceânicas para o desenvolvimento sustentável e para cumprir com os objetivos da agenda 30, almejando ecossistemas marinhos mais saudáveis e maior promoção do bem estar da nossa sociedade.

    Publicado em 1 de setembro de 2019 Responder

    • Anônimo

      Excelente Fernanda, unir forças é uma etapa essencial!

      Publicado em 13 de setembro de 2019 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Carne cultivada em laboratório, é sério isso?

Preocupação ambiental? Solução para o abate de animais? Alternativa para vegetarianos e veganos? O que é e qual o propósito da carne cultivada em laboratório?

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!