Automutilação como estratégia de sobrevivência

Assessoria de Comunicação Social
Universidade Federal da Paraíba
Departamento de Biologia Animal
Universidade Estadual de Campinas
Departamento de Zoologia
Universidade Federal de Juiz de Fora

Análise de milhares de exemplares de coleções científicas revela fatores que influenciam répteis sem patas a quebrarem a própria cauda como defesa. Serpentes e anfisbênias que vivem em climas mais quentes sofrem mais ataques de predadores

CRÉDITO: FOTO LEANDRO OLIVEIRA DRUMMOND

Sobreviver na natureza exige, entre outros desafios, evitar ser devorado. A produção de toxinas, a camuflagem e uma fuga rápida são algumas estratégias desenvolvidas ao longo da evolução. Métodos defensivos mais dramáticos também surgiram no mundo animal, como a capacidade de perder uma parte do corpo para escapar de um predador. Esse comportamento, chamado de autotomia, palavra de origem grega que significa ‘automutilação’, é observado em caranguejos, polvos, aranhas e até em salamandras e lagartos.
Nem todos os lagartos fazem autotomia, mas as espécies com essa capacidade podem perder uma parte da cauda para desviar a atenção do predador enquanto salvam a própria pele – comportamento também conhecido como urotomia (‘amputação da cauda’). Ao longo de algumas semanas, a cauda se regenera com duas diferenças básicas: a substituição das vértebras ósseas por um bastão de cartilagem e uma organização distinta das novas escamas, o que deixa nítido que a cauda foi regenerada.

Mesmo essas cartas, feitas pelos militares e juristas que os apoiavam, asseguravam garantias que, em tese, seriam contraditórias com a circunstância de se viver um regime autoritário

Cicatrizes e ‘cotoco’

Anfisbênias (popularmente chamadas de ‘cobras-de-duas-cabeças’) e serpentes são evolutivamente lagartos sem patas; muitas espécies fazem autotomia, mas não conseguem regenerar a cauda. Portanto, quando serpentes e anfisbênias são atacadas por predadores, formam-se cicatrizes e um ‘cotoco’, o que torna esses animais ideais para estudos sobre ocorrência e intensidade de predação desses répteis na natureza.
Um estudo publicado em setembro deste ano no Journal of Animal Ecology, liderado pelo biólogo brasileiro Mario Moura, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) – hoje na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – concluiu que serpentes e anfisbênias que vivem em climas mais quentes sofrem mais ataques de predadores. Para chegar a esse resultado, foram analisados mais de 8 mil espécimes de 44 espécies de serpentes e anfisbênias, a maioria do Brasil, mas também de outros países da América do Sul, América Central, África e Europa.

Um estudo publicado em setembro deste ano no Journal of Animal Ecology, liderado pelo biólogo brasileiro Mario Moura […] concluiu que serpentes e anfisbênias que vivem em climas mais quentes sofrem mais ataques de predadores

Todo esse material encontra-se preservado em 61 coleções científicas de dez países. O trabalho contou com uma força-tarefa de 34 pesquisadores de 27 instituições do Brasil, Argentina, Paraguai, Colômbia, Equador, Espanha e Estados Unidos.

 

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-79103
725_480 att-79129
725_480 att-79148

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79129
725_480 att-78562
725_480 att-78250
725_480 att-77222
725_480 att-75970
614_256 att-74171
614_256 att-74268
614_256 att-69653
614_256 att-73520
614_256 att-72270
614_256 att-72030
614_256 att-72859
614_256 att-71112
614_256 att-61534
614_256 att-57143