De onde veio a variante BQ. 1 e por que ela está provocando um aumento dos casos de covid?

Instituto de Microbiologia Paulo de Góes
Universidade Federal do Rio de Janeiro

A pandemia ainda não acabou e a BQ. 1, nova variante do coronavírus causador da covid-19, está provocando um aumento no número de casos da doença. A nova variante é derivada da ômicron e, assim como outras variantes, surge porque no processo de replicação viral, que ocorre dentro das nossas células, podem ocorrer mutações no material genético do vírus. Essas mutações podem trazer algum tipo de vantagem para o vírus, e as novas variantes carregando essas mutações acabam sendo selecionadas e podem se tornar mais prevalentes. No caso da BQ. 1, grande parte das mutações causa alterações na proteína chamada spike, que é a proteína do vírus responsável pela ligação com as nossas células. A maioria das vacinas disponíveis leva à produção de anticorpos que tem como alvo exatamente a proteína spike. Mas, como na BQ. 1 essa proteína já sofreu muitas mutações, esses anticorpos, sejam provenientes da proteção vacinal ou da infecção natural, tem menos afinidade com esse vírus, facilitando o escape vacinal, que resulta no aumento de casos de covid-19.

A BQ. 1 tem maior potencial de transmissibilidade ou de provocar uma doença mais grave?

O que as evidências nos mostram é que essa variante não tem maior capacidade de passar de um hospedeiro a outro do que as variantes já conhecidas, das quais a BQ. 1 se originou, como a ômicron. Mas ela está começando a dominar o cenário de infecções por covid-19 porque, pelas mutações que sofreu, tem maior capacidade de escapar do nosso sistema imunológico. Essa variante também não mostrou potencial de provocar uma doença mais grave do que as variantes anteriores, fato que já havia sido observado com a variante ômicron – os sintomas seguem os mesmos: dor de cabeça, dor de garganta, tosse, febre baixa. Os casos graves são raros porque as pessoas vacinadas, apesar de susceptíveis as infecções pela BQ. 1, ainda estão protegidas das complicações mais graves
associadas a covid-19.

Como prevenir a infecção pela nova variante do coronavírus?

A primeira medida é atualizar as vacinas disponíveis no SUS. Tanto a Pfizer quanto a Moderna já produzem vacinas bivalentes (que protege do SARS-CoV-2 original e da variante ômicron) e que oferecem proteção melhor contra a BQ. 1 – mas essas vacinas ainda não estão disponíveis do Brasil. Devemos seguir então com as vacinas que temos, que, apesar de oferecerem uma menor proteção frente à infecção pela BQ. 1, conseguem evitar casos graves de covid-19 causados por todas as variantes. Por fim, mas não menos importante, devemos retomar o uso de máscara, evitando aglomerações, sobretudo em lugares fechados.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-79103
725_480 att-79363
725_480 att-79274
614_256 att-79434
725_480 att-79129
725_480 att-79088
725_480 att-79148
725_480 att-79453
725_480 att-79341
725_480 att-79523
725_480 att-79333
725_480 att-79493

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-74188
725_480 att-74188
725_480 att-74188
725_480 att-74188
725_480 att-74188
614_256 att-27650
725_480 att-74188
725_480 att-74188
614_256 att-27650
614_256 att-27650
614_256 att-27650
614_256 att-27650
614_256 att-27650
614_256 att-27650
614_256 att-27650