Pouco tempo depois de ingressar na graduação, Alexandra Anastácio já desejava ser professora e pesquisadora na área de nutrição. Desafiando as estatísticas, tornou-se pró-reitora de graduação na UFF e, com isso, um símbolo de avanço na representatividade da mulher negra no meio acadêmico.

Aos sete anos de idade perdi meu pai, mas guardo importantes lembranças do breve tempo em que estivemos juntos. “Essa menina será alguém na vida, será doutora”, dizia ele. Para nós, negros, ser “alguém na vida” não é algo natural. É, na verdade, um sonho distante a ser perseguido com muita luta. Ao ver o pranto de minha mãe viúva, e a fragilidade de meus irmãos, na época com seis anos e de um mês de idade, percebi que precisava ser forte, apoiar a minha família e buscar “ser alguém” por meio do estudo. Sempre fui muito aplicada na escola – gostava de química, biologia e de tudo relacionado à saúde. Ingressei no curso de Nutrição da Univeridade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 1992. Fui a primeira pessoa da minha família a ingressar na universidade e me tornei um exemplo de superação entre parentes e amigos.

Alexandra Anastácio

Faculdade de Nutrição
Universidade Federal Fluminense

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-47450
614_256 att-47320
614_256 att-27650
614_256 att-47311
614_256 att-47264
614_256 att-47252
614_256 att-47237
614_256 att-47196
614_256 att-47176
614_256 att-47185
614_256 att-47168
614_256 att-47136
614_256 att-47120
614_256 att-47114
614_256 att-47018

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79148
725_480 att-78801
725_480 att-78477
725_480 att-77240
725_480 att-76204
614_256 att-74015
614_256 att-72134
614_256 att-73512
614_256 att-74021
614_256 att-72753
614_256 att-70669
614_256 att-71563
614_256 att-71099
614_256 att-62019
614_256 att-58001