Razões para aproximar a tecnologia da sala de aula

Reflexões resultantes do diálogo entre uma professora do Ensino Médio e uma pesquisadora na área de tecnologia e educação.

 

Muito se falou sobre o Uruguai ter sido o primeiro país da América Latina a entregar computadores portáteis para cada um dos 300 mil alunos dos ensinos fundamental e médio das 2,3 mil escolas públicas de seu território. A iniciativa, de 2007, foi batizada de Plano Ceibal (sigla para Conectividad Educativa de Informática Básica para el Aprendizajeen Línea) e considerada inovadora, porque não pretendeu substituir os materiais analógicos pelos dispositivos digitais para favorecer a transmissão de conteúdos curriculares e subir no ranking dos exames educacionais oficiais. A premissa era introduzir a cultura digital no ambiente educativo e, dessa forma, promover a criatividade, a autonomia e a autoria dos envolvidos, estimulando um processo de aprendizagem motivador e, de fato, permanente.

Nos anos seguintes à implantação do Plano Ceibal, diversas avaliações nacionais e internacionais foram feitas. Um estudo encomendado pela Administração Nacional de Educação Pública do país, por exemplo, constatou que não houve avanço dos estudantes nas áreas de matemática e leitura. Por outro lado, de acordo com o índice do Fórum Econômico Mundial, o Uruguai passou à frente do Brasil e do México nas classificações internacionais de preparação tecnológica. Que lição tiramos disso? Com erros ou acertos, a relação da escola com a tecnologia é inevitável.

Mais de uma década depois do lançamento do plano uruguaio, o Brasil ainda enfrenta grandes obstáculos para favorecer a adoção de tecnologias nas escolas. Embora muitas salas de aula disponham dos recursos tecnológicos, os professores não os utilizam como ferramenta didática. E tampouco estão convictos de que a tecnologia poderá melhorar o rendimento escolar. Cabe aqui uma questão já bastante recorrente: em vez de se esquivar do uso de celulares e outros aparelhos similares, as escolas não deveriam incorporá-los como ferramentas que podem contribuir fortemente com o ensino e a aprendizagem?

Créditos: Pixabay

 

Resistir ao uso da tecnologia não faz sentido, porque, a rigor, tecnologias são todas as ferramentas, todos os instrumentos criados pela humanidade até hoje. Ou seja: do giz ao celular, tudo é tecnologia. No âmbito do ensino, destacam-se duas classificações: Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC).

Por TIC, entendemos qualquer tecnologia eletrônica, analógica ou digital, que possibilite a aquisição ou depósito da informação com a possibilidade de potencializar a comunicação. O PC (computador pessoal) é uma TIC, por exemplo. Já as TDIC são todas as tecnologias que podem ser usadas em movimento, ou seja, que possibilitam a informação e a comunicação e podem ser conectadas por horas sem a necessidade da eletricidade para carregar baterias. Aqui se incluem os tablets, smartphones e demais dispositivos móveis com conexão à internet por Wi-Fi ou 3G, 4G etc.

 

Motivos não faltam

Essas diferentes tecnologias digitais permitem aos alunos o contato com novas linguagens, e aproximam o conteúdo de ensino às novas gerações, os nativos digitais, que, desde pequenos, têm naturalidade e domínio sobre os recursos tecnológicos.

Mas quais são, efetivamente, os motivos para incorporar esses recursos na prática docente? Podemos citar alguns exemplos, como a ampliação do alcance e da equidade no ensino, isto é, com conteúdos em rede mais pessoas podem ter acesso à educação. Podemos destacar também o desenvolvimento da educação em áreas de menor acesso, uma vez que a internet e a tecnologia podem levar a educação a diversos lugares – com o devido respaldo de políticas públicas, evidentemente. Cabe também mencionar o apoio a alunos com deficiência, dado que as novas tecnologias são versáteis, flexíveis e fáceis de adaptar a diversas necessidades. Outro ponto a favor é a otimização do tempo em sala de aula, afinal de contas a tecnologia na educação pode expandir os limites e criar interatividade fora da sala de aula. Não podemos esquecer a facilitação da aprendizagem contínua, dado que os estudantes das gerações Y e Z se sentem mais à vontade estudando com tecnologias. Uma outra vantagem seria a aproximação entre o aprendizado formal e o informal, considerando que a tecnologia mistura ferramentas de lazer com as de educação.

Se as vantagens são tantas, por que essas tecnologias ainda são pouco empregadas? Uma das razões é a pouca familiaridade docente com as tecnologias educacionais, mostrando que é fundamental o investimento na preparação do professor para utilizar esses recursos em sala de aula. Outro obstáculo relevante é que nem todas as escolas têm bom acesso à internet, não atendendo à demanda de alunos e professores. O mesmo ocorre com os equipamentos. Poucas escolas têm a infraestrutura ideal para um ensino de qualidade.

Por tudo isso, no atual cenário da educação brasileira, torna-se difícil usar a tecnologia da mesma forma que em outros países, como Uruguai, Estados Unidos, Finlândia, França, Canadá etc. Nesses lugares, já se entendeu que a mudança não está em apenas levar a tecnologia à sala de aula. É preciso promover a mudança no professor, no estudante, e refletir sobre que educação se deseja para o desenvolvimento.

Ainda que seja lugar-comum, não custa reforçar que, ainda que se tenha o cenário ideal para o uso das mais avançadas tecnologias em sala de aula, nenhuma delas substitui o professor. Será sempre valiosa a função do docente, seja como orientador ou facilitador de ideias, para organizar, esclarecer, contextualizar o que está sendo ensinado e aprendido.

Virgínia Samôr Alves

Aluna do Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional (ProfBio)

*Artigo resultante de entrevista com a pesquisadora Núria Pons Vilardell Camas, da Universidade Federal do Paraná

Matéria publicada em 15.01.2019

COMENTÁRIOS

  • Fabrício Souza

    Muito interessante a matéria! Parabéns

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Anônimo

      Obrigada.

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Daniele Parma

    Muito bom! Parabéns!

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Carla Souza

    Ótima a matéria! Parabéns, Virgínia!

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Virgínia

    Gostaria de agradecer as prof. Núria Pons, Andrea T. Da Poian e Bianca Encarnação pela ajuda e a minha família e amigos pelo apoio incondicional.

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Shirley

    Parabéns! Excelente matéria, e como você mesma disse: nada substitui o PROFESSOR! Você é mil!!!

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Anônimo

    Tambem penso que é inevitável uma mudança na metodologia do ensino aprendizagem. E tambem nos processos de avaliação. Tanto nas internas como nas externas. O ENEM por exemplo. Mas dai ja e um outro assunto. . Excelente colocação Virgínia. Parabéns!

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Isabelle

    Excelente matéria Virgínia. Párabens! Acredito que é necessário inovações educacionais para podermos erradicar a evasão escolar.

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Michele

    Muito bom o texto, Virgínia! E toca numa questão fundamental: não basta usar as TICs apenas como mais um meio de transmissão da informação; é preciso disponibilizá-la como ferramenta para a construção de conhecimento pelos alunos. Parabéns pelo texto e por sua atuação docente!

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Anônimo

    Chique ciência e hj ta fácil não

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Anônimo

      Mônica savioni

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Anônimo

    Mônica savioni acima rsr

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Anderson

    Além de ótima professora e amiga, também nos disponibiliza um importante artigo sobre educação. Parabéns Virgínia! Anderson/PROFBIO.

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Fernando – Petrópolis – RJ

    Adorei Virgínia! Muito bom! Muito adequada pra esse momento da educação no nosso país.

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

  • Cíntia Samôr

    Um bom assunto para reflexão…. O ensino nas escolas têm que acompanhar a evolução que as novas tecnologias oferecem…. Senão corre o risco de ser desinteressante aos alunos… Cabe a escola e aos professores desenvolverem projetos utilizando cada vez mais a tecnologia…. Um tema muito pertinente!!! Parabéns Vivi….👏👏😘

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virginia

      Obrigada.

      Publicado em 18 de janeiro de 2019 Responder

  • Beatriz

    Parabéns Virgínia!!!

    Um grande exemplo!!!

    Um orgulho de ser sua amiga!!!

    Beatriz Paixão/ PROFBIO

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virginia

      Obrigada Bia.

      Publicado em 18 de janeiro de 2019 Responder

  • Glauce

    Parabéns Virgínia! Ótimas colocações, excelente texto.😍😘

    Publicado em 17 de janeiro de 2019 Responder

    • Virginia

      Obrigada Glauce

      Publicado em 18 de janeiro de 2019 Responder

  • Zezé

    Parabéns minha filha. Tenho muito orgulho de você.

    Publicado em 18 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 19 de janeiro de 2019 Responder

  • Gevania

    Muito bom.
    Exatamente assim.
    Parabéns !

    Publicado em 22 de janeiro de 2019 Responder

    • Virgínia

      Obrigada 😍

      Publicado em 22 de janeiro de 2019 Responder

  • anonimo

    um lixo

    Publicado em 15 de fevereiro de 2019 Responder

  • Ana Célia

    Muitíssimo obrigada por oferecer esse excelente espaço de conhecimento e informação.

    Publicado em 16 de fevereiro de 2019 Responder

  • Kamilly

    Obg pro me fortalecer este sate

    Publicado em 18 de fevereiro de 2019 Responder

  • Luis de Carvalho Santiago Filho

    Muito obrigado. Isso me favoreceu grandemente. Agora consegui fazer minha resenha

    Publicado em 18 de fevereiro de 2019 Responder

  • Gláudia Martins

    Adorei a matéria. Ela resume bem a inquietação que me levou ao meu Projeto de TCM.
    Parabéns a equipe pelo excelente trabalho realizado.

    Publicado em 18 de março de 2019 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Formigueiro matemático

Uma série de animação japonesa serviu de base para uma pergunta intrigante que custou anos para que a comunidade matemática chegasse a uma resposta aproximada. E o desafio continua.

Um tempo para cada um

O que é o tempo? Ele é igual para todos? Tem realidade física ou é mera ilusão? Essas perguntas sobre esse conceito – tão fascinante quanto intrigante –vêm sendo objeto de questionamentos por milênios.