Um mundo feito de objetos, não de pixels

As imagens de sensoriamento remoto, compostas por pixels, limitam o reconhecimento dos objetos geográficos por elas representados, ao restringir sua caracterização a cores e tons, ignorando o contexto espacial.

 

As imagens de sensoriamento remoto são representações da superfície capazes de capturar o arranjo espacial da cobertura da Terra. Esse arranjo pode ser mais ou menos homogêneo, variando no espaço e no tempo com maior ou menor dinâmica.

Como as imagens são digitais, representam de forma discreta grandezas naturalmente contínuas, como o espaço e o tempo. A capacidade de se aproximar mais da realidade por meio do detalhamento dessas componentes define as resoluções espacial e temporal dessas imagens – em outras palavras, a possibilidade de se enxergar mais.

A forma pode ser o elemento mais facilmente identificado em algumas classes de objetos, como os pivôs centrais de agricultura.
Foto: Divulgação

Carla Madureira Cruz

Departamento de Geografia, Instituto de Geociências
Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-35459
614_256 att-27650
614_256 att-34997
614_256 att-34900
614_256 att-34887
614_256 att-34796
614_256 att-34783
614_256 att-34646
614_256 att-34629
614_256 att-34547
614_256 att-34528
614_256 att-34519
614_256 att-34502
614_256 att-34494
614_256 att-34473

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-77334
725_480 att-76516
614_256 att-74235
614_256 att-72377
614_256 att-73097
614_256 att-74328
614_256 att-73500
614_256 att-70713
614_256 att-71871
614_256 att-64598
614_256 att-57301
614_256 att-71325
614_256 att-56170
614_256 att-55501
614_256 att-46208