O colunista da CH decidiu desafiar Noel de novo. Desta vez, parecia que o autor ia levar a melhor, mas, com o Bom Velhinho, sempre há surpresas,principalmente se o conceito de infinito está envolvido na brincadeira.

Eu já tinha desistido. Mas não resisti. Chegou o final do ano, senti saudades dos meus embates com o gorducho simpático. Noel éo nome dele.Está na porta. Mesmo que eu sempre leve a pior, insisto na visita. É a natureza humana.

Dia 23, antevéspera de Natal. Antecipo-me e visito o velhinho. Pela porta, vejo-o de costas, sentado à mesa, assistindo a um vídeo no celular. “Ho, ho, ho! Esses gatinhos! Viva a internet!”. Gunther, seu fiel ajudante, está caído em uma poltrona, com uma garrafa na mão. Ronca profundamente.

“No… el…”,chamo lentamente. Silêncio. Ele para o vídeo. Pelo reflexo na janela, nossos olhares se cruzam.

“Você de novo… Não acredito”, resmunga.

“Mas eu acredito em você!” –tento fazer uma graça. Noel fica sério. Não sei se é minha imaginação, mas tenho a impressão de que Gunther dá uma risadinha enquanto dorme.

“Não vim, como sempre, atrás d’O Livro, aquele que contém as provas mais simples de todos os resultados matemáticos. Não. Dessa vez, vim pelo desafio.”

Noel sorri maliciosamente. Vira a cadeira abruptamente para mim e se levanta. Parece mais forte e mais alto do que eu lembrava.

“Ótimo!”,brada o barbudo.“Ótimo! Então, tenho o que você quer! Vê aquela caixa vermelha ali?”

Viro cuidadosamente, para não perder nada do cenário à minha volta.

“Claro”, respondo confiante.

“Pois bem, tem muita coisa ali. Faça o seguinte. Tire 10 objetos da caixa vermelha e coloque-os na caixa preta. Depois, escolha um objeto desta última e passe para a caixa branca. A caixa branca é minha; a preta, sua. Repita o procedimento até esvaziar a caixa vermelha. O que sobrar na caixa preta é seu, e você pode levar.”

Noel olha para Gunther, recém-acordado, parecendo grogue. Os dois trocam um sorriso malicioso. Não entendo. O jogo parece bom demais para ser verdade.

“Ah!Tem muita coisa na caixa vermelha!”, completa Noel.

Começo a trabalhar. A caixa vermelha parece não ter fim. Depois de um tempo,me dou conta do que se passa. “Nããããão!”, grito, ao mesmo tempo em que viro, procurando Noel. A janela está aberta, um trenó se afasta no horizonte. Tenho a impressão de ouvir um miado misturado com gargalhadas.

O que aconteceu? Parecia que eu estava levando vantagem na proporção de 9 para 1! O problema é que a caixa vermelha continha um…número infinito de objetos. E isso faz toda a diferença.

Vejamos. Imagine que os objetos na caixa vermelha estão todos numerados: 1, 2, 3… Tiro, por exemplo, os objetos numerados de 1 a 10, coloco-os na caixa preta e passo o objeto 1 para a caixa branca. Repito o processo, tirando agora os objetos de 11 a 20, ponho-os na caixa preta e passo o objeto 2 para a caixa branca.

Pode parecer que a minha caixa (a preta) está levando a melhor, mas… Se, no primeiro passo, perdi o objeto 1; no segundo, perdi o objeto 2; no terceiro, perdi o objeto 3. Eassim por diante.

Portanto, em algum momento, todos os objetos da minha caixa passarão para a caixa do Noel. Por exemplo, o objeto número 1001 passará para a caixa branca no passo 1001. O que sobrará na caixa preta? Nada!É surpreendente, até mesmo perturbador, não? Mas o infinito é assim. Não podemos tratá-lo como se fosse um número qualquer… porque não é um número!

Como sempre, Noel me passou a perna, mas me deu algo valioso: uma ideia nova. No fim das contas, devo admitir, ele sabe escolher muito bem os presentes.

Boas festas a todos e até 2019!

 

Desafio

O que mudaria se, no primeiro passo, eu tirasse 10; no segundo 100; no terceiro 1.000 e assim por diante? Sobraria algo para mim?

 

Solução do desafio passado

Como vimos, começando a partir de uma permutação qualquer, construímos a superpermutação adicionando 1 dígito de cada vez, até cairmos, forçosamente, em uma sequência repetida que nos obriga a adicionar dois dígitos, chegando a uma sequência final de tamanho 9.

Marco Moriconi
Instituto de Física,
Universidade Federal Fluminense

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-27650
614_256 att-34997
614_256 att-34900
614_256 att-34887
614_256 att-34807
614_256 att-34796
614_256 att-34783
614_256 att-34646
614_256 att-34629
614_256 att-34547
614_256 att-34528
614_256 att-34519
614_256 att-34502
614_256 att-34494
614_256 att-34473

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-77802
725_480 att-76487
614_256 att-74178
614_256 att-74280
614_256 att-69551
614_256 att-72788
614_256 att-73412
614_256 att-72023
614_256 att-72261
614_256 att-71188
614_256 att-66772
614_256 att-57222
614_256 att-56484
614_256 att-55630
614_256 att-54764