A ‘distorção’ da mente de um diretor

Filme de ficção nada científica premiado em festival soa como um experimento antiético com o cérebro do espectador.

O filme Distorção (no original, Alterscape, Estados Unidos, 2018) é o primeiro longa-metragem dirigido e roteirizado pelo cineasta norte-americano Serge Levin. Notavelmente, a obra ganhou o prêmio de melhor longa-metragem no Festival de Cinema de Ficção Científica Phillip K. Dick. Todavia, desconfio que Dick, renomado autor de romances clássicos de sci-fi, como O homem do castelo alto e O homem duplo, se reviraria em seu caixão ao ver seu nome associado à excrescência produzida por Levin.

Em Distorção, acompanhamos a estranha trajetória de Sam Miller (Charles Baker) após uma tentativa fracassada de suicídio, suscitada por uma depressão aparentemente insuperável decorrente da morte de seu irmão a serviço do Exército norte-americano no Iraque. Em uma suposta tentativa de curá-lo de sua aflição mental crônica, o médico John Willis (Jeffrey C. Wolf) submete Sam a uma triagem de um novo experimento neurológico, centrado no ajuste de emoções por meio da manipulação de memórias e baseado no conceito da memória da água, que propõe a noção de que a água é capaz de reter substâncias que estiveram diluídas nela, mesmo após não haver qualquer traço de tais substâncias. Esse é, na verdade, o princípio defendido por homeopatas, mas sem nenhuma base científica.

Qualquer semblante de (pseudo) ciência que o filme poderia conter para por aí, na premissa, dando lugar à estupidez generalizada. O escancarado baixo orçamento da produção de Levin não justifica a absoluta incompetência da obra em todo âmbito imaginável. O longa consegue a proeza de condensar um enredo obtuso, propelido por diálogos truncados, atuações sofríveis, uma fotografia chula e desagradável aos olhos e efeitos especiais risíveis, em tortuosos 90 minutos que mais parecem uma eternidade, a exemplo do experimento cerebral a que Sam Miller é submetido, descrito no filme como “vivenciar uma vida em uma fração de segundo”.


Fica o questionamento quanto ao que se passava na cabeça de Levin quando concebeu esse filme que sequer risca a superfície das inúmeras ponderações pertinentes que poderiam ser feitas acerca dos mecanismos neuroquímicos subjacentes à memória e às emoções.

À medida que o tratamento (em que Sam veste uma touca conectada a um computador e entra numa espécie de ‘matrix da memória’) progride, a trama vai ficando mais e mais esdrúxula. Toda a noção do ajuste de memórias é essencialmente abandonada, em favor de uma atmosfera barata de terror, em que Sam misteriosamente adquire poderes sobrenaturais e se torna capaz de usar sua mente para levar aqueles que o contrariam ao suicídio. O efeito dos poderes telepáticos de Sam quase se estendeu a parte da plateia, que, talvez observando um instinto de autopreservação, abandonou a sessão do filme aos montes à medida que este se afundava mais e mais no ridículo.

 

Muitos pontos negativos

Dentre todos os aspectos que constituem a bagunça que é Distorção, fica difícil apontar somente um destaque negativo, mas suponho que a falha mais

evidente do longa seja a ausência completa de sensibilidade dramatúrgica, refletida nas interpretações lastimáveis do elenco, mecânicas e engessadas, com a louvável exceção do veterano Michael Ironside, outrora reputado por sua participação em obras vastamente superiores de ficção científica centrada na mente humana, como Scannners: sua mente pode destruir (1981) e O vingador do futuro (1990).

A única ressalva positiva desse desastre sem pé nem cabeça é a trilha sonora, que consiste de uma junção de peças minimalistas de ambient eletrônico com faixas mais dançantes de synthwave, gênero musical popular no meio da ficção científica.

De resto, fica o questionamento quanto ao que se passava na cabeça de Levin quando concebeu esse filme que sequer risca a superfície das inúmeras ponderações pertinentes que poderiam ser feitas acerca dos mecanismos neuroquímicos subjacentes à memória e às emoções, ainda um capítulo não resolvido no estudo do cérebro humano. Só enxergo uma possível aplicação científica desse filme: um teste para avaliar até que ponto um cérebro pensante e crítico preserva sua integridade ao ser exposto a uma exibição de Distorção. Suspeito, porém, que tal experimento não seja muito ético.

Max Rumjanek

Roteirista, graduado em cinema pela Universidade Federal Fluminense

Matéria publicada em 15.01.2019

COMENTÁRIOS

Envie um comentário