A migração que deu samba

Moderno e urbano, o samba carioca tem suas raízes fincadas no passado e em tradições de africanos e seus descendentes vindos de outros pontos do Brasil. Se o seu ‘sotaque’ da Bahia é bem conhecido e registrado na gravação fonográfica de Pelo telefone, do descendente de baianos Donga, é importante também focar em outro grupo, pouco valorizado nesse caldo cultural do gênero musical mais identificado com os brasileiros: os migrantes negros do Vale do Paraíba.Oriundos dos velhos vales de café do interior dos estados de Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, eles rumaram à então capital do país depois da abolição. Esses grupos carregaram na bagagem o calango, o jongo, a folia de reis e outros ritmos e tradições que se espalharam pelas áreas que são berço das mais tradicionais escolas de samba do Rio de Janeiro.

Escravos em terreiro de uma fazenda de café no Vale do Paraíba, por volta de 1882.
Foto: Marc Ferrez – Coleção Gilberto Ferrez – Acervo Instituto Moreira Salles

O compositor, escritor e pesquisador Nei Lopes já mostrou, há algum tempo, o quanto o chamado samba moderno e urbano do Rio de Janeiro, das primeiras décadas do século 20, nasceu, ao mesmo tempo, negro e “absolutamente novo e carioca”. Sem deixar de dialogar com o passado, Lopes defende, em seu livro O negro no Rio de Janeiro e sua tradição musical, que esse samba devia muito a “tradições e matérias-primas anteriores”, (re) criadas pelos africanos e seus descendentes, em várias partes do Brasil.

Mas como foi possível surgir um produto negro – fruto de tradições e de modernidades – chamado de samba, que logo faria sucesso na indústria fonográfica, nas ondas do rádio e nas festas de carnaval, das mais populares às mais elitizadas, revolucionando as concepções musicais mundiais? Quais as raízes desse gênero musical que, impulsionado por políticas culturais ao longo do século 20, se transformou num símbolo do que havia de mais brasileiro, mas um Brasil mais identificado com os ideais da mestiçagem e pretensamente integrado culturalmente?

Martha Abreu

Instituto de História
Universidade Federal Fluminense e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-37322
614_256 att-36266
614_256 att-36257
614_256 att-36228
614_256 att-36215
614_256 att-36204
614_256 att-36194
614_256 att-36180
614_256 att-27650
coringa
614_256 att-35963
614_256 att-35945
614_256 att-35956
614_256 att-35939
614_256 att-35930

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-78924
725_480 att-78884
725_480 att-78680
725_480 att-78625
725_480 att-78617
725_480 att-78228
725_480 att-78208
725_480 att-78192
725_480 att-78176
725_480 att-77561
725_480 att-77521
725_480 att-77475