Ilhas de calor e espaços de conforto

Como polos de concentração de população e calor, os espaços urbanos contribuem para a alteração do balanço de energia, modificando os padrões térmicos e a qualidade do ar. Mas também há, nas grandes cidades, áreas de vegetação e paisagens abertas que se comportam como focos de frescor urbano. Para mitigar o efeito das ilhas de calor nas regiões metropolitanas e se proteger de futuros desastres associados a mudanças climáticas, tais espaços ‘verdes’ devem ser preservados.

O clima descreve as condições meteorológicas médias de um determinado local durante um longo período de tempo. Com o objetivo de fornecer dados para tomar decisões baseadas em evidências sobre a melhor forma de se adaptar a um clima em transformação, estudamos as variações e os pontos extremos climáticos e suas influências em uma variedade de atividades.

As cidades reúnem hoje cerca de 55% da população mundial, com a expectativa de chegar a cerca de 70% até 2050, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Nos países em desenvolvimento, essa parcela já excede hoje os 80%. Além disso, as áreas urbanas concentram a grande maioria das atividades econômicas desses países. Claramente, essas áreas com forte confluência de pessoas geram uma grande preocupação de ordem social, econômica e ambiental.

As áreas urbanas estão sujeitas a microclimas específicos, pois a cidade afeta o padrão das variáveis meteorológicas. Nos últimos anos, vários estudos têm mostrado que os espaços urbanos constituem polos de concentração de calor, que, em oposição aos espaços não urbanos, relativamente mais frescos, caracterizam-se como aquilo que a comunidade científica chama de ‘ilhas de calor’. As cidades contribuem para a alteração do balanço de energia, gerando grandes ‘bolhas’ sobre essas áreas, modificando os padrões térmicos e de qualidade do ar, entre outros aspectos.

José Ricardo de Almeida França

Departamento de Meteorologia
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Andrews José de Lucena

Departamento de Geociências
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Leonardo de Faria Peres

Departamento de Meteorologia
Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-47450
614_256 att-47320
614_256 att-27650
614_256 att-47311
614_256 att-47299
614_256 att-47264
614_256 att-47252
614_256 att-47237
614_256 att-47196
614_256 att-47176
614_256 att-47185
614_256 att-47168
614_256 att-47136
614_256 att-47120
614_256 att-47114

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-78924
725_480 att-78884
725_480 att-78680
725_480 att-78625
725_480 att-78617
725_480 att-78228
725_480 att-78208
725_480 att-78192
725_480 att-78176
725_480 att-77561
725_480 att-77521
725_480 att-77475