Alugam-se amas de leite

A partir de anúncios publicados no Jornal do Brasil no início do século 20, é possível traçar um quadro do cotidiano das classes populares do Rio de Janeiro à época.

Aluga-se uma ama de leite, portuguesa, com o primeiro leite, de um mês, tendo de idade 22 anos, de boa conduta; na Rua do Lavradio n.186, sobrado (Jornal do Brasil, 22 de abril de 1903, p. 3).

Anúncios de amas de leite eram corriqueiros no Jornal do Brasil no início do século 20 e alertavam para um mercado de trabalho intenso. Ainda hoje, não é estranho ouvir ou conhecer alguém que tenha sido amamentado quando criança por uma ama, por conta de problemas com o leite materno ou pela necessidade de a mãe trabalhar.

Durante séculos, a ama de leite foi utilizada por famílias abastadas. No caso do Brasil, muitas eram mulheres escravizadas que, em virtude do parto, aleitavam os filhos dos senhores, sendo, por vezes, impedidas de alimentar seus próprios filhos e alugadas para terceiros, gerando renda.

Compreender o papel desempenhado por essas mulheres no Rio de Janeiro no momento posterior à abolição da escravidão, ocorrida em 1888, foi o alvo de nossa pesquisa realizada no Programa de Pós-graduação da Casa de Oswaldo Cruz. O período estudado foi marcado pelas preocupações médicas com a alimentação infantil, em especial o leite artificial e as amas de leite, devido à mortalidade que assolava a cidade e a transformava em questão de saúde pública.

Caroline Gil

Mestrado em História das Ciências e da Saúde,
Casa de Oswaldo Cruz,
Fundação Oswaldo Cruz

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

As várias faces do carbono

Ele é considerado o elemento da vida, mas também é apontado como responsável pelo aquecimento global. O que faz esse elemento químico ter diferentes faces?

Vacinas, para que as quero?

O mecanismo que torna esses imunológicos mais duradouros ou não ainda segue sem resposta. Mas ninguém deveria duvidar de seu poderoso efeito protetor.