A origem do cupuaçu, um sabor amazônico

Reais Jardins Botânicos de Kew (Reino Unido)

Estudos recentes revelam que a fruta marcante da região Norte do país e parente do cacau é, na verdade, uma forma ‘domesticada’ do cupuí, o que evidencia a antiga arte de modificar plantas, protagonizada pelas comunidades indígenas

Fruto do cupuaçu (Theobroma grandifl orum), espécie amazônica do mesmo gênero do cacau (Theobroma cacao), seu parente próximo

Se hoje nos deliciamos com um suco ou sorvete de cupuaçu, especialmente os que vivem na região Norte do Brasil, isso é resultado de uma história fascinante que remonta a milhares de anos atrás. Na Amazônia, onde a natureza se mostra em toda a sua exuberância, povos indígenas têm desempenhado um papel fundamental ao viverem em harmonia com a floresta. 

Ao longo de, pelo menos, os últimos 12 mil anos, povos indígenas não apenas habitaram essas vastas terras, mas cultivaram uma compreensão profunda e íntima das plantas e dos recursos que a região oferece. Essa relação intrínseca e respeitosa com a terra e suas inúmeras espécies é um exemplo vivo de como a coexistência pode ser verdadeiramente simbiótica.

A floresta amazônica é um tesouro em termos de diversidade vegetal, uma fonte inestimável de vida e um componente vital para o equilíbrio do nosso planeta. A biodiversidade funcional e taxonômica da Amazônia está profundamente entrelaçada à maneira meticulosa e sábia com que as comunidades indígenas gerenciam as plantas ao longo de milênios. Esses grupos não apenas colhem e usam os recursos naturais, mas também desenvolvem sistemas de manejo e preservação que ecoam a reverência pela natureza e suas dádivas.

Esse modo de vida em harmonia com a terra é uma narrativa que se estende ao longo das gerações, preservando não apenas a cultura e os costumes, mas também a riqueza e a integridade do ambiente natural. É um testemunho poderoso da sabedoria acumulada ao longo dos séculos e da importância crítica de honrar e preservar os ecossistemas que sustentam a vida na Terra.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-85453
725_480 att-85608
725_480 att-85705
725_480 att-85728
725_480 att-85716
614_256 att-85525
614_256 att-85560
725_480 att-85667
725_480 att-85808
725_480 att-85435
725_480 att-85599
725_480 att-85635
725_480 att-85425
725_480 att-85445
725_480 att-85755

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-86001
725_480 att-85004
725_480 att-84761
725_480 att-84276
725_480 att-83829
725_480 att-83596
725_480 att-82941
725_480 att-82066
725_480 att-81484
725_480 att-80993
725_480 att-80500
725_480 att-79703
725_480 att-79088
725_480 att-78562
725_480 att-78250