Anfíbios, chorinho e meio ambiente

A descoberta de uma nova espécie de perereca deixou felizes pesquisadores entristecidos pela devastação da mata onde o anfíbio foi encontrado. Na hora de batizá-lo, eles se lembraram da música de um compositor brasileiro capaz de transformar choro em alegria.

Perereca-pixinguinha, um achado inédito para a ciência
crédito: foto cedida pelos autores

A Mata Atlântica, que no passado ocupou grande parte do território brasileiro, sofre com a constante devastação e, atualmente, está restrita a menos de 30% de sua cobertura original. Mas essa pequena parte que resiste ainda guarda grandes surpresas.

Em uma expedição para monitoramento de fauna ameaçada, em abril do ano passado, no pequeno município de Santa Teresa (ES), nós, pesquisadores do Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA) e do Projeto Bromeligenous (IMD), nos deparamos com uma perereca diferente de todas já registradas na região.
Depois de um ano de muita investigação, constatamos tratar-se de um achado inédito para a ciência. A descoberta foi coroada com a publicação da descrição da nova espécie no periódico científico internacional Ichthyology & Herpetology, em 29 de junho de 2021, da Sociedade Norte-americana de Ictiólogos e Herpetólogos.

João Victor A. Lacerda

Instituto Nacional da Mata Atlântica

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje