Ciência para sair da crise econômica

Jornalista ICH

Novo presidente da Faperj, Jerson Lima Silva, pesquisador e professor titular da UFRJ, trabalha para reequilibrar as contas da agência, pagar dívidas passadas e investir em áreas e parcerias estratégicas para contribuir com a recuperação do Estado do Rio.

Vigésimo presidente da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, Jerson Lima Silva tomou posse em janeiro último ciente de que encara um dos momentos mais difíceis dos 39 anos da agência de fomento à pesquisa fluminense. Professor titular do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), membro titular da Academia Brasileira de Ciências e premiado por seu trabalho pioneiro na compreensão dos mecanismos das proteínas relacionadas a doenças como câncer e Parkinson, o pesquisador tem deixado o laboratório de lado para dedicar a maior parte de seu tempo a “reengenheirar o fomento do passado, do presente e do futuro”. Não é para menos. A Faperj tem um passivo de R$ 630 milhões em recursos que não foram pagos a projetos aprovados durante a crise fiscal do Estado do Rio, mas também precisa seguir investindo. Apesar disso tudo, Jerson se diz um otimista, acredita que pode reequilibrar as finanças em um ano e aposta em áreas como bioeconomia, biotecnologia, tecnologia da informação, nanotecnologia e outras para recuperar a economia do estado.

Ciência Hoje: O senhor assumiu a presidência da Faperj em janeiro, e o Estado do Rio ainda sofre os efeitos de sua pior crise. O que pode dizer desses primeiros meses?

Jerson Lima Silva: O começo, nessas circunstâncias, é sempre difícil, mas há uma expectativa grande. O estado ainda sofre com problemas fiscais e econômicos. Pela Constituição do Estado do Rio, 2% da arrecadação líquida vão para a Faperj; então se o estado arrecada menos, a fundação recebe menos. Mas a única maneira de o estado passar a arrecadar mais é mudando sua matriz econômica. A economia fluminense ainda é baseada em commodities, principalmente de petróleo. Há outras questões de gestão, mas a única garantia de que daqui a dez anos não haverá outra crise fiscal é diversificar as fontes de recursos que temos hoje.


“Se olharmos para o parque científico do estado, temos oportunidades grandes nas áreas de bioeconomia,biotecnologia, energia, nanotecnologia, tecnologia da informação, entre outras. E a ciência é transversal a tudo, até ao turismo. O nosso desafio é mostrar a importância da Faperj nesse cenário”

Crédito das fotos:
Lécio Augusto Ramos/Faperj

Valquíria Daher
Jornalista / Instituto Ciência Hoje

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-37322
614_256 att-36266
614_256 att-36257
614_256 att-36228
614_256 att-36215
614_256 att-36204
614_256 att-36194
614_256 att-36180
614_256 att-36027
614_256 att-27650
coringa
614_256 att-35963
614_256 att-35945
614_256 att-35956
614_256 att-35939

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-77308
725_480 att-76180
614_256 att-74158
614_256 att-72252
614_256 att-74213
614_256 att-73191
614_256 att-72819
614_256 att-70623
614_256 att-71841
614_256 att-70958
614_256 att-62001
614_256 att-57278
614_256 att-56162
614_256 att-55237
614_256 att-53611