Cientista russo deu contribuições fundamentais para a ciência ao descobrir parte do mecanismo de funcionamento do sistema imune; por seu trabalho, ganhou o Prêmio Nobel de Medicina em 1908

Credito: Foto wikimedia commons

O ano era 1880, e o cientista russo Ilya Mechnikov – ou Élie Metchnikoff (1845-1916) – passava por momentos angustiantes. Sua segunda esposa, Olga Belokopytova, definhava a olhos vistos. Ela havia contraído febre tifoide, uma grave doença bacteriana ainda sem tratamento, já que os antibióticos só seriam descobertos décadas depois. A saúde de Mechnikov, que havia perdido sua primeira esposa para a tuberculose, também era frágil. Ele tinha problemas cardíacos, e sua visão dificultava o trabalho no microscópio. Devastado e em depressão, ele decidiu tirar a própria vida.

Leandro Lobo
Instituto de Microbiologia Paulo de Góes
Universidade Federal do rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-27650
614_256 att-55945
614_256 att-55919
614_256 att-55851
614_256 att-55881
614_256 att-55860
614_256 att-55796
614_256 att-55602
614_256 att-55677
614_256 att-55827
614_256 att-55555
614_256 att-55553
614_256 att-55501
614_256 att-55630
614_256 att-55480

Outras Matéras Nesta Categoria

725_480 att-75781
614_256 att-74161
614_256 att-70595
614_256 att-74252
614_256 att-73484
614_256 att-72764
614_256 att-72108
614_256 att-71023
614_256 att-61579
614_256 att-59382
614_256 att-56275
614_256 att-54093
614_256 att-53596
614_256 att-52476
614_256 att-51498