A efetividade das vacinas e o poder dos dados

Ferramenta essencial no combate à pandemia de covid-19, as vacinas ainda suscitam muitas perguntas da população em geral e, também, dos próprios cientistas. Para avaliar a efetividade dos quatro imunizantes usados no Brasil na vida real e orientar as ações dos gestores de saúde, foi criado, pela Fiocruz, o projeto Vigvac Covid-BR. Em dezembro de 2021, o grupo multidisciplinar lançou seu primeiro boletim sobre efetividade e apresentou ótimas notícias. No Brasil, nas faixas etárias de 20 a 80 anos, as vacinas tiveram eficácia entre 83 e 99% para casos graves e óbitos. Coordenador do grupo, o imunologista MANOEL BARRAL-NETTO, no entanto, pede precaução: “Não estamos em céu de brigadeiro, ainda poderão vir turbulências”. O pesquisador da Fiocruz Bahia, professor aposentado da Universidade Federal da Bahia e membro da Academia Brasileira de Ciências destaca ainda que não se pode desvincular a efetividade das vacinas do momento da pandemia: “É preciso ter cautela para analisar os dados. A eficácia de todas elas pode estar superestimada porque a força da infecção estava muito baixa em outubro e novembro. A ômicron pode mudar isso tudo muito rapidamente”. Nesta entrevista, Barral-Netto fala dos muitos estudos desenvolvidos pelo grupo e da importância de trabalhar com um banco de dados de mais de 150 milhões de brasileiros.

CRÉDITOS FOTO: DIVULGAÇÃO/FIOCRUZ BAHIA

CIÊNCIA HOJE: Como funciona o Vigivac e qual o objetivo?

MANOEL BARRAL-NETTO: É um sistema de monitoramento digital de avaliação de todas as quatro vacinas em uso no Brasil contra covid-19. Não é um acompanhamento do número de vacinas aplicadas, mas sim da efetividade dessas vacinas. Isso é feito linkando os dados da vacinação com os de internação de síndromes gripais e de Síndrome Respiratória Aguda Grave. O ideal seria ter também dados da assistência primária, mas ainda não foi possível. Esse trabalho pode ser adaptado para outras síndromes. Como grupo de pesquisa, estamos fazendo isso durante a pandemia, mas o ideal é que esse modelo seja absorvido e aperfeiçoado pelo Ministério da Saúde. Isso seria muito útil para a saúde pública. Além da efetividade, conseguimos fazer outros tipos de estudo que podem contribuir para a gestão de saúde. Criamos um painel, por exemplo, para monitorar o atraso na segunda dose e da dose de reforço, que agora está prejudicado pelo apagão de dados do Ministério da Saúde.


Temos muito cuidado com os dados pessoais, aos quais sequer temos acesso, atualmente é uma base de mais de 150 milhões de pessoas

Por Valquíria Daher
Jornalista, ICHC

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-71741
614_256 att-71966
614_256 att-71563
614_256 att-71824
614_256 att-72030
614_256 att-72023
614_256 att-71767
614_256 att-71644
614_256 att-71608
614_256 att-71588
614_256 att-27650
614_256 att-71818
614_256 att-72009
614_256 att-71903
614_256 att-72017

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79103
725_480 att-78558
725_480 att-78349
725_480 att-77308
725_480 att-76180
614_256 att-74158
614_256 att-72252
614_256 att-74213
614_256 att-73191
614_256 att-72819
614_256 att-70623
614_256 att-70958
614_256 att-62001
614_256 att-57278
614_256 att-56162