Quando a ciência encontra a arte
para buscar diversidade

Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Carolina Brito é uma das criadoras de projetos e peça de teatro para incentivar o interesse de meninas pela carreira de cientista

CRÉDITO: FOTO CEDIDA PELA AUTORA

Carolina Brito apresentando a peça A Ciência como ela é no Bar Céu, em Porto Alegre.

Quando eu era criança, queria ser astronauta. Queria conhecer o espaço, ver a Terra de longe e pisar na Lua. Esta era minha fantasia e a de muitas crianças da minha geração. De astronauta, eu resolvi ser astrônoma e, depois, descobri que a astronomia era um ramo da física. E foi o caminho que decidi seguir.

Carolina Brito
Instituto de Física
Universidade Federal do Rio Grande do Sul

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-71741
614_256 att-71966
614_256 att-71841
614_256 att-71824
614_256 att-72030
614_256 att-72023
614_256 att-71767
614_256 att-71644
614_256 att-71608
614_256 att-71588
614_256 att-27650
614_256 att-71818
614_256 att-72009
614_256 att-71903
614_256 att-72017

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79148
725_480 att-78801
725_480 att-78477
725_480 att-77240
725_480 att-76204
614_256 att-74015
614_256 att-72134
614_256 att-73512
614_256 att-74021
614_256 att-72753
614_256 att-70669
614_256 att-71099
614_256 att-62019
614_256 att-58001
614_256 att-56480