Instituto de Física
Universidade Federal Fluminense

Um tutor se diverte com seu vira-lata em um parque, ambos dando voltas em torno de uma árvore. Nessa cena corriqueira do cotidiano, está embutido um teorema de consequências profundas e importantes para a matemática. Mais: ele pode ser entendido só com palavras, sem qualquer cálculo.

CRÉDITO: ILUSTRAÇÃO A PARTIR DE ADOBE STOCK

Todas as manhãs, Martin gosta de passear com seu imponente cachorro, Zeus, um vira-lata tão pequeno que, mais apropriadamente, caberia em uma lata de molho de tomate, se, de fato, tentasse virá-la. Os passeios de Martin são simples, em um parque amplo, com uma árvore isolada, que ele usa de marcador.

Martin gosta de dar quantas voltas quiser nessa árvore, mantendo Zeus preso a uma guia retrátil, aquelas que aumentam e diminuem o comprimento. Há só uma condição para essa diversão entre os dois: a distância entre Martin e a árvore tem que ser sempre maior do que a distância entre Martin e Zeus.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-79103
725_480 att-79363
725_480 att-79274
614_256 att-79434
725_480 att-79129
725_480 att-79088
725_480 att-79148
725_480 att-79429
725_480 att-79453
725_480 att-79341
725_480 att-79523
725_480 att-79333

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79767
725_480 att-78550
725_480 att-78394
725_480 att-77802
725_480 att-76487
614_256 att-74178
614_256 att-74280
614_256 att-69551
614_256 att-72788
614_256 att-73412
614_256 att-72023
614_256 att-72261
614_256 att-71188
614_256 att-66772
614_256 att-57222