Impressões de um viajante brasileiro sobre o Oriente

Análise histórica lança luz sobre o relato de viagem do astrônomo Francisco Antônio de Almeida ao Japão e outros países da Ásia e da África.

Ao embarcar para a França, em 1872, financiado pelo governo imperial para estudos na área de astronomia nos mais conceituados institutos europeus, o brasileiro Francisco Antônio de Almeida provavelmente não tinha dimensão da nova viagem que faria dois anos depois. Uma viagem que não apenas marcaria a vida pessoal do cientista, mas sugeriria o lugar que o Brasil, ainda edificado pela escravidão indígena e africana, teria em meio a um mundo científico e político assinalado pelo imperialismo e ideias racistas em franco crescimento.

Por um lado, Almeida atuou como astrônomo na missão francesa que observou a passagem do planeta Vênus pelo Sol no Japão, com o objetivo de determinar a paralaxe solar — a distância entre a Terra e o astro. Missões científicas de inúmeros países foram organizadas para a observação do fenômeno astronômico, formando uma rede global de cientistas imbuídos pelo mesmo objetivo. O Brasil, interessado em ser representado em um importante evento científico de escala internacional, enviou Almeida na missão francesa, que se dirigiu ao Japão em 1874.

Jacques Ferreira Pinto

Casa de Oswaldo Cruz
Fundação Oswaldo Cruz

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Combate ao racismo começa na escola

Ensinar sobre a herança e o conhecimento africanos e as marcas deixadas pelo povo negro na cultura brasileira é uma forma de contribuir para uma educação antirracista e para a eliminação do preconceito e da discriminação

O HIV e os aplicativos de encontro

A infecção por HIV atinge desproporcionalmente a população LGBT. Há uma estimativa de que um em cada quatro homens que fazem sexo com homens, em São Paulo, conviva com o vírus. Será que o uso de aplicativos de encontro contribuiriam para aumentar o número de parceiros sexuais e de relações ‘desprotegidas’? Será que as pesquisas confirmam esta hipótese? Qual a sua opinião? Participe do chat da Ciência Hoje.