As representações literárias da Peste Negra

Trechos de obras de grandes escritores sobre a maior das pandemias revelam as estratégias simbólicas por trás da iniquidade.

As grandes epidemias acompanham o ser humano praticamente desde que ele está no mundo. No entanto, as representações iconográficas e literárias mais populares entre nós, sobre o assunto, se referem à Peste Negra – pandemia que exterminou metade da população da Europa, entre 1347 e 1350, repetindo grandes surtos epidêmicos até o início do século 19.

Muito embora seja de fundamental importância, sobretudo no período atual, revisitarmos as origens, as causas e os diversos contextos dessa pandemia, por uma questão de ofício, esse não é o foco do texto. Aqui interessam as estratégias simbólicas que foram utilizadas para dar conta de tanta iniquidade. Para tanto, cabe destacar trechos de alguns escritores que se puseram a representar os males da Peste Negra que habitavam o corpo e o imaginário dos mais diferentes povos.

Georgina Martins

Programa de Mestrado Profissional em Letras (Profletras)
Curso de Especialização em Literatura Infantil e Juvenil, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Escritora de livros para crianças e jovens

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

Abrir Chat