Diversidade sexual das flores

Ao observarmos a beleza de um exuberante buquê de flores não costumamos pensar no longo processo evolutivo que levou a essa explosão de tamanhos, formas, cores e aromas. Tal variação floral corresponde a diferentes estratégias sexuais adotadas por cada uma das 300 mil espécies de angiospermas existentes no mundo. Por trás dessa diversidade, existem processos seletivos comuns a todas as linhagens. Um dos principais mecanismos de seleção sexual, a competição entre machos explica a masculinização das flores grandes e a discrição e feminilização daquelas diminutas.

A grande diversidade de flores no mundo tem encantado a todos – de poetas e artistas a românticos inveterados. Quando olhamos orquídeas, camélias, ipês, onze-horas e maracujás, percebemos que cada espécie de planta possui uma flor diferente em forma, cor, número de estruturas e tamanho, refletindo suas estratégias reprodutivas distintas. Contudo, por que algumas espécies produzem flores pequenas, sem grandes atrativos, enquanto outras são enormes e extremamente elaboradas?

Um interessante padrão evolutivo revelado recentemente ajuda a explicar essa grande variação floral existente na natureza – flores maiores, em geral, mais masculinas e atraentes, enquanto flores menores são mais femininas e menos chamativas. Esse padrão foi descoberto graças a um estudo minucioso da biomassa floral de centenas de espécies de plantas de quatro continentes, pertencentes a diferentes linhagens evolutivas das angiospermas (plantas superiores).

Na maioria das espécies de angiospermas, as flores são hermafroditas, apresentando tanto órgãos masculinos, que produzem polens, quanto órgãos femininos, responsáveis pela produção de óvulos. Elas também têm pétalas, geralmente coloridas para atrair polinizadores, além de sépalas, localizadas na base das flores, protegendo o ovário contra insetos herbívoros. Como as flores de distintas linhagens evolutivas possuem número de estruturas e forma diferentes, é muito difícil comparar muitas espécies em trabalhos evolutivos.

Carlos Roberto Fonseca e Gustavo Brant Paterno

Departamento de Ecologia
Universidade Federal do Rio Grande do Norte

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-49860
614_256 att-49699
614_256 att-49691
614_256 att-49680
614_256 att-49674
614_256 att-49589
614_256 att-49784
614_256 att-49774
614_256 att-49767
614_256 att-49739
614_256 att-27650
614_256 att-49795
614_256 att-49802
614_256 att-49539
614_256 att-49477

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-78924
725_480 att-78884
725_480 att-78680
725_480 att-78625
725_480 att-78617
725_480 att-78228
725_480 att-78208
725_480 att-78192
725_480 att-78176
725_480 att-77561
725_480 att-77521
725_480 att-77475