A relação entre branquitude e privilégio

Departamento de Psicologia
Universidade Federal de Santa Catarina

O processo de colonização das Américas pelos europeus e, posteriormente, o conceito de raça, forjado pela pseudociência do fim do século 19, construíram uma ideia fictícia de superioridade branca que tem efeitos perceptíveis no cotidiano e na sociedade brasileira como um todo. Embora raça seja uma construção social e não exista biologicamente, os brancos usufruem de privilégios e vantagens que vão desde ter mais facilidade de ascensão social a não receberem, no dia a dia, olhares de desconfiança ao entrar numa loja para fazer compras.

Branquitude é o termo utilizado para denominar as construções das identidades raciais brancas em sociedades nas quais a categoria raça e o fenômeno do racismo funcionam como organizadores da estrutura social. A branquitude precisa ser pensada de modo relacional a outras identidades raciais e a partir de sua construção sócio-histórica e das relações de poder da estrutura social na qual está inserida.

Em outras palavras, é preciso pensar que os grupos e sujeitos considerados brancos em determinados locais não necessariamente o são em outros contextos. Entre os estudiosos críticos da branquitude, é unanimidade que essa identidade se construiu a partir da ideia fictícia de superioridade produzida durante o processo de colonização das Américas e, posteriormente, pelo conceito de raça forjado pela pseudociência do fim do século 19.

Enquanto categoria sociológica, a raça funciona como um marcador de divisão e distinção entre os sujeitos brancos, negros e indígenas. No Brasil, os indivíduos, querendo ou não, são classificados racialmente ao nascerem. Àqueles classificados socialmente como brancos recaem atributos e significados positivos ligados à identidade racial a que pertencem, tais como inteligência, beleza, educação, progresso, moralidade etc. Esse traço de fantasia de superioridade contido na construção social da branquitude produz significados, e os sujeitos se apropriam deles, os singularizam, atuam sobre eles e, de algum modo, os reproduzem.

Desta forma, os conteúdos racistas de nossa linguagem também são apropriados pelos sujeitos, em meio a essa fantasia de superioridade racial. A concepção estética e subjetiva construída diariamente acerca da branquitude é, em nossa sociedade, supervalorizada em relação às identidades raciais não brancas. Isso implica na ideia de que a crença na superioridade moral, intelectual e estética – construída pelo racismo dos homens da ciência, como o botânico sueco Carl Linnaeus (1707-1778) e o antropólogo inglês Francis Galton (1822-1911) – constitua um dos traços característicos da branquitude brasileira.

 

Colonização europeia e raça


A branquitude é um lugar de vantagem estrutural nas sociedades estruturadas na dominação racial, ou seja, todas as sociedades colonizadas por europeus

A socióloga britânica Ruth Frankenberg (1957-2007) propõe que a branquitude deve ser pensada como localizações sociais estruturadas na dominação. Para a autora, os principais pontos que caracterizam essa localidade são: a branquitude é um lugar de vantagem estrutural nas sociedades estruturadas na dominação racial, ou seja, todas as sociedades colonizadas por europeus, onde a categoria raça foi criada e, portanto, utilizada para justificar a violência colonial, são estruturadas por esta dominação; a branquitude é um “ponto de vista”, um lugar a partir do qual nos vemos e vemos os outros e as ordens nacionais e globais, ou seja, esta localização identitária permite aos brancos um lugar de conforto para olhar ao seu entorno, pensando a si mesmo como norma e/ou padrão de humanidade a ser seguido; a branquitude é um locus de elaboração de uma gama de práticas e identidades culturais, muitas vezes, não marcadas e não denominadas, ou denominadas como nacionais ou “normativas” em vez de especificamente raciais.

Um bom exemplo para pensarmos essa última colocação é como a história da Europa aparece nos currículos escolares sempre pensada como história geral, assim como suas guerras são lidas como mundiais. Como lugar de privilégio, a branquitude não é absoluta, mas atravessada por uma gama de outros eixos de privilégio ou subordinação relativos; estes não apagam nem tornam irrelevante o privilégio racial, mas o modulam ou modificam.

Apesar de a branquitude ser pensada como uma posição de privilégios simbólicos e materiais, é preciso entender como isso funciona interseccionalmente em cada sociedade. A branquitude é produto da história, e é uma categoria relacional – isto é, não existiria não fosse a construída “comparação” com outras ideias de raça. Como outras localizações raciais, não tem significado intrínseco, mas apenas significados socialmente construídos.

 

Branquitudes de Norte a Sul

Nessas condições, os significados da branquitude têm camadas complexas e variam entre os locais. Além disso, seus significados podem parecer simultaneamente maleáveis e inflexíveis. Isso significa que, dentro do Brasil, a branquitude tem características diferentes em regiões diferentes. No Sudeste, por exemplo, muitas pessoas negras de pele clara são consideradas brancas, porém, se vão para o Sul, são imediatamente consideradas negras, pois, na região, a categoria branco está ligada à questão étnica. Ou seja: para ser considerado branco no Sul do Brasil precisa ter, além do fenótipo demarcador da raça, a origem europeia.

O caráter relacional e socialmente construído da branquitude não significa, convém enfatizar, que esse e outros lugares raciais sejam irreais em seus efeitos materiais e discursivos. Na prática, dizer que a raça é uma construção social, não significa que não tenha efeitos concretos, duradouros e fixos no cotidiano das pessoas. Desta forma, apesar de raça não existir biologicamente, seus efeitos são visíveis em nossa sociedade.


A branquitude é uma posição em que sujeitos que a ocupam foram sistematicamente privilegiados no que diz respeito ao acesso a recursos materiais e simbólicos

Essa conceituação, apresentada por Frankenberg, em 2004, nos mostra que o cerne da identidade racial branca são os privilégios materiais e simbólicos que se obtêm nas sociedades estruturadas por dominação racial. Neste sentido, a pesquisadora e escritora estadunidense Peggy McIntosh (1934-) argumenta, em texto de 1988, que os privilégios não são percebidos pelos sujeitos que os obtêm, pois as sociedades ocidentais ainda são, em sua maioria, eurocentradas e, por isso, tendem a ser ‘monoculturais’, ou seja, a constituição de uma determinada perspectiva sobre o mundo que se baseia centralmente nos padrões culturais dos grupos dominantes, mantendo uma visão única sobre as formas de viver e ser no mundo, que não permite que os sujeitos consigam perceber sua singularidade e seu próprio fechamento.

O monoculturalismo, como toda forma de ‘sistema-único de visão’, é cego à sua própria especificidade cultural. Ele não consegue perceber a si mesmo e confunde seus particularismos com neutralidade. Tal como a psicóloga Maria Aparecida Silva Bento, conhecida como Cida Bento, denuncia em texto de 2002: “Eles reconhecem as desigualdades raciais, só que não associam essas desigualdades raciais à discriminação e isto é um dos primeiros sintomas da branquitude. Há desigualdade raciais? Há! Há uma carência negra? Há! Isso tem alguma coisa a ver com o branco? Não! É porque o negro foi escravizado, ou seja, é legado inerte de um passado no qual os brancos parecem ter estado ausentes.”

 

Reconhecendo os privilégios dos brancos

Uma das perguntas a serem feitas aqui é sobre de que forma os sujeitos brancos agem para que estes privilégios sejam perpetuados. Ou o que faz com que grande parcela da sociedade tenha esses privilégios e não os perceba? Bento argumenta que os brancos em nossa sociedade agem por um mecanismo que ela denomina ‘pactos narcísicos’, alianças inconscientes, intergrupais, caracterizadas pela ambiguidade, e, no tocante ao racismo, pela negação do problema racial, pelo silenciamento, pela interdição de negros em espaço de poder, pelo permanente esforço de exclusão moral, afetiva, econômica e política do negro, no universo social. Assim, ela escreve, a branquitude é “um lugar de privilégio racial, econômico e político, no qual a racialidade, não nomeada como tal, carregada de valores, de experiências, de identificações afetivas, acaba por definir a sociedade”.

Os privilégios, tanto simbólicos como materiais, operam, portanto, no sentido de criar vantagens às pessoas do grupo racial branco, possibilitando maior acesso a direitos, mesmo os mais básicos, bem como uma maior facilidade de ascensão social. Desse modo, vale caracterizar que a branquitude é uma posição em que sujeitos que a ocupam foram sistematicamente privilegiados no que diz respeito ao acesso a recursos materiais e simbólicos, gerados inicialmente pelo colonialismo e pelo imperialismo, e que se mantêm e são preservados na contemporaneidade. Como exemplo disso, podemos citar o famoso artigo de 1988, de McIntosh, onde ela elenca, a partir de sua experiência como mulher branca, privilégios da branquitude no dia a dia:

  • Se eu desejar, consigo estar na companhia de pessoas da minha raça a maior parte do tempo.
  • Posso fazer compras sozinha a maior parte do tempo, sabendo que não serei seguida ou assediada.
  • Posso ligar a televisão ou abrir a primeira página do jornal e ver pessoas da minha raça amplamente representadas.
  • Quando me falam da minha identidade nacional ou sobre “civilização”, sou mostrada que pessoas da minha cor fizeram do meu país o que ele é.
  • Posso ter certeza que meus filhos receberão materiais curriculares que atestam a existência da raça deles.
  • Se eu quiser, posso com facilidade encontrar um editor para esse artigo sobre privilégio branco.
  • Posso usar cheques, cartões de crédito ou dinheiro em espécie e contar que a minha cor de pele não vai prejudicar minha aparência de rentabilidade financeira.
  • Consigo proteger meus filhos a maior parte do tempo de pessoas que podem não gostar deles.
  • Posso falar palavrões ou me vestir com roupas de segunda mão, ou não responder cartas [e-mails], sem que as pessoas atribuam essas escolhas à baixa moral, pobreza ou analfabetismo da minha raça.
  • Posso falar em público para um grupo masculino poderoso sem colocar minha raça em julgamento.
  • Posso me dar bem em uma situação desafiadora sem que digam que o crédito é da minha raça.
  • Nunca sou chamado a falar em nome de todas as pessoas do meu grupo racial.
  • Posso ignorar a língua e os costumes das pessoas de cor que constituem a maioria do mundo sem sentir culpa nenhuma por tal ignorância.
  • Posso criticar nosso governo e falar sobre o quanto eu tenho medo de suas políticas e comportamentos sem ser visto como excluído culturalmente.
  • Posso me sentir segura de que, quando eu pedir para falar com ‘o responsável’, vou encontrar uma pessoa da minha raça.
  • Se um guarda de trânsito me pede que pare ou se um fiscal da receita auditar meus impostos, posso seguramente saber que tal decisão não ocorreu por conta da minha raça.
  • Posso facilmente comprar pôsteres, cartões postais, livros de fotos, cartões de aniversário, bonecas, brinquedos e revistas infantis com fotos de pessoas da minha raça.
  • Posso aceitar um emprego em um empregador que aplica ações afirmativas sem que meus colegas de trabalho suspeitem que eu tenha conseguido tal emprego por causa da raça.
  • Posso escolher acomodações públicas sem temer que as pessoas da minha raça não poderão entrar ou serão destratadas nos lugares que eu escolhi.
  • Posso ter certeza que se eu precisar de ajuda médica ou legal, minha raça não trabalhará contra mim.
  • Se meu dia, semana ou ano está indo mal, não preciso questionar se cada episódio negativo tem um subtexto racial.
  • Posso escolher um corretivo ou curativo cor “da pele” e saber que ele mais ou menos vai ter o mesmo tom da minha pele.

Apontar esses privilégios é fundamental para alcançarmos uma sociedade mais justa e igualitária

Apontar esses privilégios é fundamental para alcançarmos uma sociedade mais justa e igualitária. E, para uma real transformação no tecido social, é preciso que sujeitos brancos sejam precursores de mudanças em seus micros e macros lugares de poder e atuação. Contudo, para que haja uma mudança estrutural, é preciso que a branquitude como lugar de normatividade e poder se transforme, e o racismo não seja o pilar de sua sustentação. Para isso, é preciso alterar as relações socioeconômicas, os padrões culturais e as formas de produzir e reproduzir a história brasileira. Assim, as políticas públicas voltadas para a igualdade racial, como as cotas, o reconhecimento da história, do espaço e a ação dos atores políticos negros e indígenas, são essenciais para que os brancos consigam se deslocar da posição de norma e hegemonia cultural.

Lia Vainer Schucman

Departamento de Psicologia
Universidade Federal de Santa Catarina

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-49836
614_256 att-49860
614_256 att-49699
614_256 att-49691
614_256 att-49680
614_256 att-49674
614_256 att-49589
614_256 att-49784
614_256 att-49774
614_256 att-49767
614_256 att-49739
614_256 att-27650
614_256 att-49795
614_256 att-49802
614_256 att-49477

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-78924
725_480 att-78884
725_480 att-78680
725_480 att-78625
725_480 att-78617
725_480 att-78228
725_480 att-78208
725_480 att-78192
725_480 att-78176
725_480 att-77561
725_480 att-77521
725_480 att-77475