O monitoramento da superfície da Terra em níveis de detalhes impensados até bem pouco tempo atrás nos faz refletir sobre o quanto queremos, de fato, sermos vistos.

Imersos na corrente geoinformacional que marca o século 21, estamos constantemente envolvidos com dados geoespaciais de naturezas diversas. Não à toa vivenciamos a era do Big Data.

O que as geoinformações têm em comum é o fato de apresentarem três componentes caracterizadoras do dado: a espacial, que lhe confere a localização; a temporal, que informa seu posicionamento no tempo; e a descritiva, que apresenta suas características. Todas podem variar bastante em detalhamento, mas, quando falamos das imagens de sensoriamento remoto e do avanço das tecnologias de observação da Terra, estamos focados em um conjunto geoinformacional bem típico, usado massivamente para a leitura e monitoramento da superfície terrestre.

Carla Madureira Cruz

Departamento de Geografia
Instituto de Geociências
Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-49836
614_256 att-49860
614_256 att-49699
614_256 att-49691
614_256 att-49680
614_256 att-49674
614_256 att-49589
614_256 att-49784
614_256 att-49774
614_256 att-49739
614_256 att-27650
614_256 att-49795
614_256 att-49802
614_256 att-49539
614_256 att-49477

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79341
725_480 att-78545
725_480 att-78444
725_480 att-77334
725_480 att-76516
614_256 att-74235
614_256 att-72377
614_256 att-73097
614_256 att-74328
614_256 att-73500
614_256 att-70713
614_256 att-71871
614_256 att-64598
614_256 att-57301
614_256 att-71325