O valor do verde no espaço urbano

Programa de Pós-graduação em Ecologia e Conservação da Biodiversidade
Universidade Federal do Mato Grosso

Já está bem claro o valor de grandes áreas de hábitats, que abrigam uma extensa rede de conexões biológicas, para a preservação da biodiversidade. Mas áreas menores não teriam também considerável contribuição? Qual o valor de pequenas extensões naturais, que surgem a partir do impacto humano e de seu posterior abandono? Como o recente isolamento causado pela pandemia influenciou as pessoas, sensibilizando-as para a valorização desses espaços?

 

É fato que o planeta vem acumulando problemas ambientais que vão prejudicar as gerações futuras. No entanto, enquanto muitos países desenvolvidos valorizam seus recursos ambientais, outras nações com mais áreas naturais tendem a não fazê-lo, uma vez que precisam explorá-las para suprir suas necessidades econômicas e superar as desigualdades sociais. Essas desigualdades justificariam o uso contínuo de tais recursos para atingir os mais elevados padrões de qualidade pessoal – grande parte do que é consumido acaba se acumulando em casa ou, sobretudo, no lixo. Entretanto, durante a pandemia da covid-19, o isolamento social mostrou a importância de ter um mundo fora de nossas residências e um ambiente externo de qualidade.

Assistimos a muitas catástrofes ambientais em 2020 ao redor do mundo (pandemia, pragas de insetos, grandes incêndios). Elas não são consequência de um castigo divino nem de um plano maligno de governo ou de outra entidade. São resultado da falta de conhecimento básico sobre os ambientes naturais. O resgate dessa experiência é fundamental para a mudança de atitudes, para que a população perceba os resultados positivos que o ambiente natural pode proporcionar.


Não seria oportuno começar a valorizar aqueles hábitats alterados pelo ser humano e que compõem novos ecossistemas?

Ecossistemas naturais intocados já foram avaliados por seus importantes serviços, como a manutenção do clima, a regulação da chuva e a polinização de culturas agrícolas. Não seria oportuno começar a valorizar aqueles hábitats alterados pelo ser humano e que compõem novos ecossistemas?

Poliana Gabriele Alves de Souza Lins
Programa de Pós-graduação em Ecologia e Conservação da Biodiversidade
Universidade Federal do Mato Grosso

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-52973
614_256 att-51573
614_256 att-51838
614_256 att-51761
614_256 att-51517
614_256 att-51904
614_256 att-51472
614_256 att-51590
614_256 att-51510
614_256 att-51671
614_256 att-27650
614_256 att-51852
614_256 att-51488
614_256 att-51753
614_256 att-51498

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-81551
725_480 att-79624
725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-88039
725_480 att-88270
725_480 att-88187
725_480 att-88170
725_480 att-87831
725_480 att-87559
725_480 att-87613
725_480 att-87589
725_480 att-87306
725_480 att-87325