Os benefícios da natureza para a saúde mental

A covid-19, provavelmente, deixará como herança outra pandemia: a de doenças mentais. Para essa, não há qualquer perspectiva de vacina. Mas, ao fim do isolamento, aumentam as possibilidades de contato com a natureza, o que tem se mostrado um excelente remédio no auxílio ao combate de transtornos mentais, além de melhorar a capacidade de resiliência e a superação de estresses pós-traumáticos.

Praticamente um ano após o início do espalhamento do SARS-CoV-2, o novo coronavírus, o mundo permanece lutando, física e mentalmente, contra a pandemia. O isolamento social – já feito em outras pandemias – foi a principal medida adotada mundialmente e, também, a que demonstrou ser mais eficaz na redução do número de casos e da mortalidade. No entanto, são evidentes os danos colaterais relacionados ao confinamento, à falta de contato humano e à exposição a notícias negativas da pandemia, que, por sua vez, promove um crescente estado de angústia e ansiedade. Tudo isso é permeado pelo medo pré-existente de ser infectado ou, ainda, da perda de entes queridos. Além disso, há a profunda e preocupante reflexão sobre o que nos aguarda no período pós-pandemia e quais as sequelas remanescentes, que podem incluir o estresse constante.

Uma forma de amenizar ou aliviar esses efeitos do isolamento social não está acessível a muita gente: a natureza, em suas mais diversas formas, como áreas de lazer, praias e Unidades de Conservação Ambiental.

A proximidade com a natureza tem um impacto positivo na saúde humana física e mental, como mostra a neurociência. A exposição a áreas verdes, ao ar limpo, a ambientes abertos, ao sol e a temperaturas menos abafadas contribui para a percepção dos mais variados estímulos sensoriais, como visual, auditivo e olfativo. Essa capacidade de receber informações sobre diferentes partes do corpo modula positivamente muitos aspectos fisiológicos, psicológicos e comportamentais que permeiam a atividade do sistema nervoso.

O contato com a natureza também assume um papel fundamental sobre o desenvolvimento cognitivo. Essa relação já foi apontada em estudo que demonstrou, ao longo de 12 meses, que a exposição de alunos do ensino básico a espaços verdes promoveu melhora da capacidade de memória e redução da desatenção. Além disso, o acesso restrito à interação com a natureza em idades pré-escolares, fase em que o cérebro ainda está em formação, pode resultar em aumento irrestrito da exposição a telas. Esse tipo de exposição, segundo estudo recente, reduz o desenvolvimento da substância branca cerebral dessas crianças, que é importante para habilidades cognitivas como a linguagem e a alfabetização.

Luana da Silva Chagas
Núcleo de Pesquisa, Ensino, Divulgação e Extensão em Neurociências,
Universidade Federal Fluminense

Priscila Stéfani Monteiro-Alves
Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Evolução,
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Comentários (2)

  1. Thasla Santos de Jesus

    Um texto muito bom, que destaca a importância da natureza na promoção da saúde mental, principalmente em um contexto de isolamento social e ansiedade relacionada à pandemia. Ele ressalta que a proximidade com a natureza pode ser uma forma eficaz de amenizar os efeitos do confinamento e da exposição constante a notícias que são negativas, contribuindo para a redução do estresse e da angústia, que é horrível.
    Além disso, o texto fala que a exposição à natureza tem um impacto positivo no sentido de estímulos sensoriais, contribuindo para aspectos fisiológicos, psicológicos e comportamentais que influenciam a atividade do sistema nervoso. Também mostra que essa relação com a natureza pode fazer melhorias no desenvolvimento cognitivo, tipo a melhora da capacidade de memória e a redução da desatenção em crianças.

  2. Um texto muito bom, que destaca a importância da natureza na promoção da saúde mental, principalmente em um contexto de isolamento social e ansiedade relacionada à pandemia. Ele ressalta que a proximidade com a natureza pode ser uma forma eficaz de amenizar os efeitos do confinamento e da exposição constante a notícias que são negativas, contribuindo para a redução do estresse e da angústia, que é horrível.
    Além disso, o texto fala que a exposição à natureza tem um impacto positivo no sentido de estímulos sensoriais, contribuindo para aspectos fisiológicos, psicológicos e comportamentais que influenciam a atividade do sistema nervoso. Também mostra que essa relação com a natureza pode fazer melhorias no desenvolvimento cognitivo, tipo a melhora da capacidade de memória e a redução da desatenção em crianças.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-52973
614_256 att-51573
614_256 att-51554
614_256 att-51838
614_256 att-51761
614_256 att-51517
614_256 att-51904
614_256 att-51472
614_256 att-51590
614_256 att-51510
614_256 att-51671
614_256 att-27650
614_256 att-51852
614_256 att-51488
614_256 att-51753

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-81551
725_480 att-79624
725_480 att-79058
725_480 att-79037
725_480 att-79219
725_480 att-87831
725_480 att-87559
725_480 att-87613
725_480 att-87589
725_480 att-87306
725_480 att-87325
725_480 att-87110
725_480 att-87386
725_480 att-86776
725_480 att-86725