Uma tabuada de 4 mil anos

Registrados em placas de argila, três textos matemáticos inéditos, contendo tabuadas escritas há 4 mil anos, são produtos do ensino e da aprendizagem da matemática no período Babilônico Antigo – e um deles contém dado raro para esse tipo de documento histórico.
Bem preservados, esses tabletes – pertencentes ao acervo de um dos mais importantes museus do mundo – são, em seu conjunto, excelente testemunho das práticas matemáticas na antiguidade mesopotâmica.

A Antiga Mesopotâmia (ou, simplesmente, Mesopotâmia) foi uma região histórica que floresceu entre os séculos 33 e 4 a.C, correspondendo aproximadamente aos territórios atuais do Iraque e da Síria. Sua história evoca nomes como os dos reis Gilgámesh e Hamurábi ou cidades como Babilônia, Assur e Nínive, palcos de eventos marcantes da história. 

Traço comum aos povos mesopotâmicos foi a escrita cuneiforme, que emergiu por volta dos anos 3200 a 3100 a.C, depois de um processo de gestação ainda discutido por historiadores e arqueólogos.

Em sua grande maioria, os documentos produzidos em sumério ou acadiano – duas línguas da Mesopotâmia – são pedaços de argila denominados ‘tabletes’ ou ‘tabuinhas’. Os escribas mesopotâmicos pressionavam a argila ainda fresca com um instrumento alongado (cálamo ou stylus), deixando marcas com formato de cunha – daí, escrita cuneiforme (figura 1).

Carlos Gonçalves
Laboratório do Antigo Oriente-Próximo (LAOP),
Universidade de São Paulo 

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

Abrir Chat