Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.

Chana Malogolowkin e a equipe do Centro de Pesquisas de Genética da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil – década de 1950. (Da esquerda para a direita: Daysi Neves Falcão, Leonor Emídio de Castro, Hans Burla, Antônio Geraldo Lagden Cavalcanti e Chana Malogolowkin)
Crédito: Arquivo pessoal de Chana Malogolowkin

Nascida na cidade de Maria da Fé (MG) em 13 de setembro de 1924, Chana Malogolowkin é filha de imigrantes russos judeus, foragidos do antissemitismo. Estudou em casa até os oito anos, entrando na única escola pública da cidade. Depois de se mudar para o Rio de Janeiro, fez ginásio (atual ensino fundamental) no colégio Hebreu Brasileiro, na Tijuca, onde despertou o interesse por história natural.

Miguel Ernesto Gabriel Couceiro de Oliveira e Renata Fontanetto

Museu da Vida/Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Educadora e aprendiz da ciência e da vida

Da área de geografia social, Júlia Adão Bernardes, professora e pesquisadora, narra sua trajetória de décadas na academia, com produção científica sempre comprometida com a superação da exploração e da opressão.