A saúde digital, a pandemia de covid-19 e o sus

Uso de tecnologias da informação e comunicação tem assumido papel fundamental na geração de conhecimento e produtos voltados ao enfrentamento da crise sanitária e pode contribuir para a maior equidade em saúde

CRÉDITO: FOTO ADOBE STOCK

Atualmente, os dados digitais, provenientes de todos os campos de atuação humana e dos fenômenos naturais, são um elemento essencial da informação e a base para o conhecimento. A integração e a análise dos dados para gerar conhecimento são fundamentais em todas as áreas. O termo ‘saúde digital’ designa o emprego rotineiro de tecnologias da informação e da comunicação para atender às necessidades de saúde. A Organização Mundial da Saúde prevê que o uso inovador e estratégico das tecnologias digitais será fundamental para garantir o acesso de mais um bilhão de pessoas aos benefícios da cobertura universal da saúde. Para além do impacto no campo da medicina e da saúde coletiva, a saúde digital afetará fortemente as profissões da saúde e suscita um necessário repensar nos campos da bioética e do biodireito.


A Organização Mundial da Saúde prevê que o uso inovador e estratégico das tecnologias digitais será fundamental para garantir o acesso de mais um bilhão de pessoas aos benefícios da cobertura universal da saúde

A disponibilidade de grandes volumes de dados continuamente expandidos (‘big data’), a biologia sintética e a internet das coisas, por exemplo, são uma nova realidade na produção e utilização do conhecimento. A internet das coisas viabiliza a análise de dados digitais coletados de diversos equipamentos, como um enorme volume de dados laboratoriais, mesmo aqueles cuja análise depende de sons e imagens, por exemplo. O uso adequado da inteligência artificial permite obter um enorme volume de informações dos textos dos prontuários médicos. A inteligência artificial também inclui a área do aprendizado de máquina (machine learning) e do aprendizado profundo (deep learning) que já apresentam forte influência no campo da saúde.

Esses avanços necessitam de infraestrutura eletrônica avançada para pesquisa intensiva de dados. A redução progressiva do custo dos recursos computacionais e a operação virtual dos equipamentos permitiram o desenvolvimento de grandes parques computacionais virtuais, em grande parte mantida na ‘nuvem’ computacional e de acesso a partir de múltiplos pontos. Essa combinação de disponibilidade enorme de dados e aumento acelerado dos recursos computacionais disponíveis permite a expansão da ciência de dados em múltiplos campos.

O enfrentamento da covid-19 utilizou múltiplas facetas da saúde digital. Na fase inicial da pandemia, o sequenciamento do ácido nucleico do vírus gerou dados que, analisados por programas de bioinformática, aumentaram a compreensão da evolução do SARS-CoV-2 e permitiram também identificar as moléculas virais mais prováveis de estimular o sistema imune.

A partir dessas informações, foi também possível fazer modelagem da estrutura das moléculas virais, o que contribui para o desenvolvimento de vacinas e medicamentos. A modelagem permitiu ainda entender a evolução e prever o padrão de dispersão da pandemia, o que auxiliou a adoção de medidas de prevenção e controle. Na modelagem da pandemia, utilizaram-se intensamente modelos matemáticos elaborados a partir da integração de dados de diversas fontes e do emprego de robusta infraestrutura computacional.

O uso intensivo de dados clínicos e laboratoriais, em diversas partes do mundo, levou à rápida identificação das manifestações da doença, permitindo diagnósticos mais precisos. O emprego da biologia de sistemas contribuiu para a compreensão dos mecanismos que tornam a covid-19 tão letal, o que permitiu um rápido aperfeiçoamento do manejo dos pacientes em cada uma das fases da doença. 

No campo da saúde coletiva, as abordagens digitais contribuíram fortemente para a vigilância em saúde. A saúde digital mostrou, de forma clara, o seu papel na avaliação da efetividade das vacinas anticovid-19. A análise dos dados de indivíduos vacinados, interligados a bancos de infecção pelo SARS-CoV-2 com dados de hospitalizações e óbitos relacionados à covid-19, permitiu avaliar o impacto da vacinação na proteção contra a doença. No caso do Brasil, têm sido avaliados dados de mais de 160 milhões de vacinados. O grande volume de dados permite a obtenção de resultados de maior precisão na avaliação de grupos. Adicionalmente, a rapidez da análise facilita o uso dos resultados para a tomada de decisões importantes na campanha de vacinação.

Tomados os devidos cuidados relacionados à bioética e à garantia de acesso universal aos seus benefícios, a saúde digital e sua progressiva inserção no Sistema Único de Saúde deverão contribuir para a equidade na incorporação das novas tecnologias na área da saúde.

Manoel Barral-Netto
Fundação Oswaldo Cruz – Bahia

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-72753
614_256 att-72616
614_256 att-72642
614_256 att-72674
614_256 att-72685
614_256 att-72914
614_256 att-72819
614_256 att-72764
614_256 att-72859
614_256 att-72788
614_256 att-72843
614_256 att-27650
614_256 att-73114
614_256 att-72813
614_256 att-73106

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-74167
614_256 att-74260
614_256 att-72198
614_256 att-71824
614_256 att-69645
614_256 att-73493
725_480 att-76184
614_256 att-66497
614_256 att-57352
614_256 att-56984
614_256 att-55945
614_256 att-54552
614_256 att-53314
614_256 att-52458
614_256 att-71833