Sem qualquer sinalização de que seria cientista, Denise Pires de Carvalho sentia-se atraída pela matemática, mas ingressou na medicina. Poderia ter seguido a clínica, mas descobriu-se pesquisadora. Conciliar o laboratório com o ensino não lhe bastou, havia espaço para a gestão. Então, ela se tornou a primeira reitora da UFRJ.

Crédito: Foto de Artur Moês

Sou a primeira pessoa da minha família a concluir o ensino superior. Ingressei na Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 1982, sem ter a mais remota perspectiva de me tornar cientista – simplesmente porque nunca havia sido apresentada a esta possibilidade como profissão. Cresci num ambiente que não era muito rico sob o ponto de vista intelectual, mas que muito valorizava a educação. Meus pais sempre disseram que a melhor herança não é aquela relacionada ao patrimônio financeiro, mas sim ao nível educacional dos filhos. Ou seja, meus irmãos e eu sempre fomos estimulados a estudar e ingressar no ensino superior.

Tive sérias dúvidas ao escolher a minha profissão. Durante o ensino básico, sempre me identifiquei muito com a matemática, a física e a química. Estava certa de que seguiria uma carreira relacionada à área das exatas ou das tecnológicas. Fiz teste vocacional e o resultado não me surpreendeu: aptidão para mecânica, visualização espacial, engenharias. Tudo indicava que eu não deveria me envolver com as áreas biológica, médica e de humanas. Fiquei feliz e decidi cursar matemática. No terceiro ano do ensino médio, quando os professores perguntavam quais eram as carreiras que escolheríamos, metade da turma informava que tentaria vestibular para engenharia e a outra metade, para medicina. Eu era a única que pretendia fazer matemática. Sob influência do grupo, comecei a ter dúvidas. Não é trivial escolher a profissão, principalmente aos 16 anos de idade. Até hoje não sei bem o motivo, mas decidi que faria vestibular para medicina.

Denise Pires de Carvalho

Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho
Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-46208
614_256 att-46823
614_256 att-46816
614_256 att-46787
614_256 att-46772
614_256 att-46738
614_256 att-46716
614_256 att-46523
614_256 att-46514
614_256 att-46456
614_256 att-27650
614_256 att-46199
614_256 att-46187
614_256 att-46141
614_256 att-46179

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79148
725_480 att-78801
725_480 att-78477
725_480 att-77240
725_480 att-76204
614_256 att-74015
614_256 att-72134
614_256 att-73512
614_256 att-74021
614_256 att-72753
614_256 att-70669
614_256 att-71563
614_256 att-71099
614_256 att-62019
614_256 att-58001