Tomografias revelam comportamento de dinossauro da Áustria

Museu Nacional/ UFRJ
Academia Brasileira de Ciências

Exames mostram que animal de um grupo caracterizado pela presença de ossos pontiagudos em torno do pescoço e nos ombros não era muito ativo e vivia de modo mais solitário, com poucas interações com outros membros de sua espécie  

Reconstrução de Struthiosaurus austriacus, dinossauro que media cerca de três metros de comprimento e pesava ao redor de 300 quilos

Crédito: Fabrizio de Rossi

Entre os dinossauros mais peculiares estão os anquilossauros. Herbívoros, esses répteis viveram entre 170 e 66 milhões de anos atrás e se caracterizaram por possuir o corpo revestido por uma couraça formada por osteodermas, que são placas ósseas alojadas no couro do animal. De forma muito superficial, eles lembram os tatus, mamíferos cujo tamanho não chega a um metro de comprimento e que pesam em torno de cinco quilos. Já os anquilossauros podiam atingir até 10 metros da ponta do focinho até a cauda, chegando a pesar quatro toneladas.

Os anquilossauros são divididos em dois grupos principais. O mais famoso reúne os anquilossaurídeos, que se caracterizam por possuírem uma projeção óssea na cauda, lembrando uma clava. A maioria dos pesquisadores acredita que essa estrutura caudal seria uma arma de defesa. O segundo grupo são os nodossaurídeos, que, além de não possuírem essa clava, ostentavam projeções ósseas pontiagudas em torno do pescoço e nos ombros. Essas diferenças fizeram com que paleontólogos especulassem que os membros dos dois grupos também teriam divergências significativas em termos comportamentais e ecológicos.

Essa ideia foi corroborada por um estudo publicado recentemente na Scientific Reports. A pesquisa, liderada por Marco Schade (Universidade de Greifswald, Alemanha), utilizou tomografia do crânio do nodossaurídeo Struthiosaurus austriacus, encontrado na Áustria, e sugeriu que os animais desse grupo eram, de fato, bem diferentes dos demais anquilossauros.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

725_480 att-80500
725_480 att-80418
725_480 att-80216
725_480 att-80517
725_480 att-80330
725_480 att-80632
725_480 att-80611
725_480 att-80577
614_256 att-80543
725_480 att-80473
725_480 att-80729
725_480 att-74188
725_480 att-80689
725_480 att-80355
725_480 att-80241

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-87282
725_480 att-86749
725_480 att-85970
725_480 att-85425
725_480 att-85058
725_480 att-84571
725_480 att-84383
725_480 att-84048
725_480 att-83447
725_480 att-83275
725_480 att-82786
725_480 att-82347
725_480 att-81864
725_480 att-80922
725_480 att-79924