Entre a euforia e a depressão

No documentário Lithium – Manhattan Manic City,portadores de transtorno bipolar de humor falam sobre as várias facetas da doença, a dificuldade de aceitá-la e os motivos da resistência ao tratamento com lítio.

Parte do projeto ‘94 elementos’, série de vídeos sobre os elementos da tabela periódica, o documentário Lithium – Manhattan, Manic City, de David Alvarado e Jason Sussberg, começa com uma explicação: “O lítio é prescrito para tratar transtorno bipolar. A droga psiquiátrica, carbonato de lítio, age como estabilizador do humor para pacientes que sofrem de depressões maníacas, um ciclo de picos de euforia seguidos de abismos depressivos severos.”

Então, estamos resolvidos. A psicose maníaco-depressiva (antiga PMD), hoje conhecida como transtorno afetivo bipolar ou transtorno bipolar do humor, é uma doença psiquiátrica e essa doença tem tratamento: o carbonato de lítio. Ponto final.

Mas por que continuamos falando sobre isso? Porque não é tão simples assim.

Maria Tavares Cavalcanti

Instituto de Psiquiatria,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Carbono: essencial e versátil

Considerado vilão da crise climática, elemento químico é essencial para a existência de todos os organismos vivos do planeta Terra e é o mais versátil da tabela periódica, com inúmeras aplicações em nosso cotidiano.

Nióbio: salvação ou promessa brasileira do século 21?

Talvez, você já tenha lido nas redes sociais que a exploração do nióbio seria a ‘salvação’ para a economia do Brasil. Isso procede? O que é fato sobre esse elemento químico? Que propriedades o fazem tão especial?