Ficção científica em outro patamar

Em sua terceira temporada, a série Dark, exibida pela Netflix, segue conquistando os públicos mais diversos por conter todas as nuances e profundidade inerentes à natureza humana.

Imagine uma série ou filme de ficção científica que aborde viagem no tempo. Ou dimensões paralelas. Que tal um mundo pós-apocalíptico? Soa familiar, não? De fato são inúmeros os exemplos que nos vem à mente, desde as séries mais dramáticas, como Outlander; a outras com foco mais adolescente, como The 100; até aquelas já consideradas clássicas, como Lost. Dark abarca esses três conceitos tão explorados no mundo scifi e, ainda assim, em nada se parece com os exemplos citados. A começar pela língua: Dark é uma série alemã – algo que destoa bastante dos tradicionais cenários e linguagens anglicanos aos quais já estamos tão acostumados. Muito mais que na língua, Dark se coloca em outro patamar da maioria das séries convencionais.

Rodrigo Picanço Negreiros

Instituto de Física
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

Open chat