Uma olimpíada para entender
o mundo e formar cidadãos

Professora de Cartografia da Universidade Federal Fluminense (UFF), Angelica Carvalho Di Maio sempre quis que o curso e o tema fossem mais divulgados no país. Em 2015, organizando um evento com escolas como parte de um congresso internacional que aconteceria no Brasil e, paralelamente, avaliando cursos de todo o país para o Ministério da Educação, surgiu a ideia: por que não organizar uma olimpíada? Naquele mesmo ano, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações abriu um edital e o projeto foi aprovado. “Aquilo que, inicialmente, seria um evento pequeno do congresso acabou virando a Olimpíada Brasileira de Cartografia”. Nesta entrevista, a coordenadora da Olimpíada fala sobre como o evento mobiliza e integra milhares de professores e estudantes Brasil afora e explica também como, dentro de um mapa, cabem muito mais histórias e informações do que o senso comum pode imaginar.

Ciência Hoje: Como funciona a Olimpíada Brasileira de Cartografia (OBRAC) e como tem sido a participação?

ANGELICA C. DI MAIO: No Brasil, temos uma variedade grande de olimpíadas científicas. As mais conhecidas são de matemática, física e química. A Olimpíada Brasileira de Cartografia surgiu em 2015, e é um pouquinho diferente das outras por durar quase todo o ano letivo; as etapas são longas e quase todas, exceto a última, são feitas a distância. A disputa é por equipes e envolve os alunos desde o 9º ano do ensino fundamental até todo o ensino médio. As equipes são compostas por um professor e quatro alunos da mesma escola, que podem ser de séries diferentes. O professor responsável pode ser de qualquer disciplina. As provas são realizadas na plataforma Moodle. E são três etapas: a primeira tem questões teóricas, mas sempre contextualizadas em situações reais para que seja usado o conhecimento de cartografia, geografia, matemática etc. A cartografia é uma ciência que trabalha com muitas ciências, por isso, tem uma capacidade muito grande de integração na escola.

Por Valquíria Daher
Jornalista, ICH

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

Open chat