Literatura para ver

Os surdos são estrangeiros na própria pátria, por isso é preciso traduzir em gestos e imagens os conceitos, que, primeiro, precisam ser vistos para, depois, serem lidos

CRÉDITO: FOTO ADOBESTOCK

“Mas eles não são cegos, como é que não conseguem ler Machado de Assis? ”

Em 2008, esta foi a minha resposta ao pedido de ajuda de uma aluna do curso de especialização em literatura infantil e juvenil da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ela era professora do Ensino Médio da rede pública e precisava de sugestões metodológicas para ensinar literatura aos seus alunos surdos. Minha resposta, na verdade, minha pergunta, foi resultado do meu primeiro espanto diante de uma questão que sequer poderia supor se tornaria minha principal indagação e meu maior desafio na prática docente. 

A professora desejava que seus alunos surdos lessem Machado de Assis, o que, para minha ignorância, não se constituía em um problema diferente daqueles que a grande maioria dos professores de literatura enfrenta. Por isso me pus a sugerir os mais batidos conselhos: ler com eles, explicar a sintaxe de Machado, mostrar que a estrutura frasal é mais complexa do que a dos textos com os quais estão acostumados, fazer um passeio pelo contexto histórico e cultural do Brasil do século 19, e, principalmente, fazê-los acreditar que a professora deles é uma leitora, e todo aquele papo de educação pelo exemplo. 

A professora me repetiu que os alunos eram surdos e que, por isso, tinham muitas dificuldades com a leitura, logo ensinar literatura para eles não era uma tarefa fácil. Confesso que não entendi quase nada do problema, porque minha ignorância no assunto me fazia pensar que a surdez não se configurava em impedimento para o aprendizado da língua portuguesa.

Movida pela curiosidade em adentrar em um universo de novas possibilidades e pelo desejo de ajudar a tal aluna, procurei auxílio junto à professora Deize Santos, que, à época, atuava no departamento de linguística da Faculdade de Letras. Coincidentemente, ela estava às voltas com a aprovação de dois importantes cursos nessa área – uma graduação em Letras-Libras e uma pós-graduação em tradução e interpretação em língua de sinais – e não mediu esforços em partilhar todo conhecimento que havia acumulado sobre o tema. Três anos depois, por ocasião da aprovação do curso de ‘pós’, convidou-me para ministrar a disciplina de literatura infantil e juvenil para a turma de surdos e ouvintes que começava na Faculdade de Letras. A experiência não só me fez rever toda prática de ensino, como ainda proporcionou minha plena realização profissional, confirmando a crença de que ensinar literatura é preciso e aprender literatura é um direito de todo ser humano.


Paixão
De vez em quando Deus me tira a poesia.
Olho pedra, vejo pedra mesmo.
O mundo, cheio de departamentos,
não é a bola bonita caminhando solta no espaço.

Adelia Prado

Tenho por hábito começar minhas aulas buscando esclarecer a origem e a natureza do objeto sobre o qual vamos nos debruçar durante o período letivo, daí a necessidade de começar investigando, junto com a turma, os diferentes modos de conceituar literatura e seus principais gêneros discursivos, como poesia e prosa, para, logo em seguida, entrar na discussão sobre o literário e o literal, tendo como suporte as noções linguísticas de denotação e conotação. Mas como fazer isso com alunos surdos que não tem a língua portuguesa como primeira língua? 

Descobri que os surdos acabam por ser estrangeiros na própria pátria. Era preciso pensar o ensino de literatura de outro modo, uma literatura para ver, e só depois para ler. Foi então que a premissa do filósofo francês Maurice Merleau-Ponty (1908-1961) fez todo sentido para mim: “Se quero comunicar-me com o outro, primeiro preciso dispor de uma língua que nomeei coisas visíveis para ele e para mim”. Então me pus a buscar minicontos e poemas – como ‘Paixão’, de Adélia Prado – que pudessem facilmente ser traduzidos em gestos e imagens.

Georgina Martins
Curso de Especialização em Literatura Infantil e Juvenil, Faculdade de Letras
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Escritora de livros para crianças e jovens

Matéria publicada em 24.11.2021

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Abrir Chat