Instituto de História
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Primeiro volume da adaptação de best-seller sobre a história da humanidade explora recursos visuais que facilitam a compreensão de conceitos, mas traz visão questionável sobre causas biológicas e evolutivas para acontecimentos históricos mais recentes.

A primeira parte da adaptação para os quadrinhos do livro Sapiens: uma breve história da humanidade, do historiador israelense Yuval Noah Harari, é um trabalho interessante de diálogo entre a linguagem gráfica e o famoso best-seller, que ganhou leitores no mundo inteiro desde 2011. Nesse primeiro volume, analisam-se os milênios iniciais da existência humana na Terra, com destaque para teorias evolutivas e interações com a biologia, a arqueologia, a antropologia e, também, com uma certa ‘psicologia evolutiva’.

A obra se debruça em uma investigação que cria paralelos entre as especificidades do processo evolutivo dos Homo sapiens e acontecimentos posteriores, como a formação de culturas e sociedades humanas e o surgimento de guerras, de revoluções e até de uma alegada tendência contemporânea à obesidade.

A narrativa principal é representada por meio de diálogos entre a personagem de Harari e professores de diversos lugares do mundo e é entremeada por narrativas paralelas – como a das aventuras de ‘Bill, o pré-histórico’ –, e por recursos que o gênero dos quadrinhos permite, como diálogos com hipotéticos neandertais ou uma intricada investigação através do tempo para verificar a responsabilidade dos H. sapiens sobre as extinções em massa ocorridas ao longo de milênios.

Sapiens (edição em quadrinhos): O nascimento da humanidade
Yuval Noah Harari, David Vandermeulen e Daniel Casanave. Tradução: Érico Assis
Quadrinhos na Cia, 2020, vol.1, 248 p.

Os recursos visuais são explorados de maneira bem-sucedida pelo trio que encabeçou a transformação do livro em história em quadrinhos, proporcionando ao leitor viagens no espaço e no tempo que facilitam a visualização da argumentação de Harari em torno de temas que podem ser de difícil entendimento para o público não especialista. Por meio de metáforas e da lógica sequencial, conceitos que levariam páginas para serem explicados em texto ganham rapidamente uma dimensão visual. Assim, o mérito do best-seller de conseguir articular, em uma narrativa acessível, os encontros interdisciplinares entre ciências tão distantes quanto a biologia e a antropologia é mantido e até aprofundado nessa adaptação.

Escolha controversa

Por outro lado, a versão em quadrinhos também mantém a controversa escolha em definir uma ‘história da humanidade’ a partir do recurso ao evolucionismo e à ‘psicologia evolucionista’. Esse objetivo se anuncia desde as primeiras páginas, quando a personagem de Harari, interpelando diretamente o leitor, propõe que: “Não dá para entender algo como a Revolução Francesa sem antes entender a evolução dos seres humanos. Os humanos são animais, e tudo o que aconteceu na história seguiu as leis da física, da química e da biologia”. O que pode ser visto como uma frase simples é provavelmente o mais questionável projeto desta obra: o de construir uma “breve história da humanidade” decorrente da maneira como se deu a seleção natural do H. sapiens.

As tensões em torno dessa afirmação se tornam visíveis dentro da narrativa à medida que esse projeto encontra uma grande dificuldade, imposta justamente pelo fator decisivo do sucesso evolutivo do H. sapiens enquanto espécie: a capacidade de comunicação e cooperação, ou seja, a criação de culturas e sociedades. Essas construções sociais e culturais, às quais o autor chama de “ficções”, são o que diferenciaria mais profundamente os H. sapiens de outras espécies de humanos com as quais essa população se relacionou por milhares de anos.

O momento crucial da mudança que teria levado os humanos a se tornarem um ‘animal social’ como nenhum outro estaria situado há cerca de 70 mil anos, quando ocorreu o que é nomeado como ‘revolução cognitiva’. Essa revolução silenciosa seria o ponto principal para entender as vantagens que levaram um animal tão próximo à base da cadeia alimentar, sem maiores impactos em seu hábitat, a se transformar, em questão de milênios, em uma espécie dominante e, como deixa clara a última seção do livro, uma ameaça para todos os ecossistemas nos quais existiu e para a própria manutenção da cadeia alimentar em si.

 

Visão limitada

Mas por que essa conclusão é um complicador para o desenvolvimento da linha de argumentação que liga necessariamente a Revolução Francesa ou as formas de organização familiar, a sexualidade e a obesidade no mundo contemporâneo à origem dos humanos como espécie? A questão é que, ao afirmar que o ponto chave para se entender a evolução humana é justamente o desenvolvimento da capacidade de criar culturas e sociedades, com suas representações, instituições, rituais etc. – o que Harari chama de ‘realidade inventada’ –, o autor põe em destaque os motivos pelos quais é tão difícil e limitado explicar a história por sua relação com uma origem remota e biológica.

Assim, a ideia de que, nas palavras da personagem da bióloga evolucionista Saraswati, “nossos hábitos alimentares, nossos conflitos e nossa sexualidade são resultado de mentes caçadoras-coletoras lidando com o mundo pós-industrial”, apresentada logo após a explicação sobre a ‘revolução cognitiva’, é, no mínimo, contraditória. Afinal, se essas “mentes caçadoras-coletoras” apresentam, como alegado, a capacidade de entender o mundo a partir de sentidos e significados constituídos socialmente, como é possível dizer que problemas e questões contemporâneos poderiam ser explicados simplesmente pela incapacidade de adaptação do ser humano a esse mundo social?

A argumentação do livro, por mais interessante que pareça, pode ser perigosa por ignorar que elementos como assimetrias de poder, mudanças alimentares, revoluções, colonizações, identidades raciais e nacionais e outras configurações estruturantes para a vida e o dia a dia das pessoas em sociedade hoje são acontecimentos muito mais recentes na história humana. Ao situar a explicação para conflitos mundiais em um complexo subconsciente de eternos “coletores-caçadores”, a obra não estaria optando por uma interpretação que naturaliza, por exemplo, as guerras e as desigualdades das quais elas partem ou que elas constroem na humanidade contemporânea?

 

Determinismo histórico

Esse anseio por uma origem que pode explicar tudo no presente, que se apresenta como a forma acabada do fenômeno que inicia, deve fazer grandes historiadores e filósofos se debaterem no túmulo. Trata-se do que podemos chamar de determinismo, uma forma de interpretar a história que entende o passado como uma caminhada linear e unívoca para um fim que já estava posto antes mesmo de se tornar realidade, ou seja, do qual não é possível escapar.

Apesar desse primeiro volume não extrapolar muito os resultados do uso desse conceito na interpretação de Harari sobre a história dos milênios mais recentes da humanidade, pode-se dizer que o determinismo é uma boa explicação para o fato de que, ao longo da obra, toda vez que um exemplo histórico é dado para corroborar alguma proposição teórica, a escolha é por um acontecimento situado na história europeia.

A julgar pelo subtítulo “o nascimento da humanidade”, poderíamos imaginar que o continente africano teria mais destaque na narrativa. Mas a África surge apenas como plano de fundo para o surgimento da espécie humana, estando ligada à sua forma ainda inicial, que, levando em conta a linha do tempo que inicia o livro, só iria realmente se tornar construtora de conhecimento por volta de 1500, quando “a humanidade admite sua ignorância e começa a adquirir poder sem precedentes. Europeus começam a conquistar a América e os oceanos.”

Assim como confunde origem com natureza inescapável, a obra parece confundir história europeia com história da humanidade. Esse equívoco parece vir precisamente da visão da história como um caminho inexorável e único, com sentido fixo e percorrido quase como decorrência natural de sua origem.

Raissa Brescia dos Reis
Instituto de História,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-52974
614_256 att-52868
614_256 att-52756
614_256 att-52860
614_256 att-52736
614_256 att-52727
614_256 att-52718
614_256 att-52709
614_256 att-52690
614_256 att-52650
614_256 att-27650
614_256 att-52525
614_256 att-52592
614_256 att-52508
614_256 att-52516

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-78503
725_480 att-78825
725_480 att-77791
614_256 att-74254
614_256 att-72203
614_256 att-73561
614_256 att-73022
614_256 att-59492
614_256 att-59492
614_256 att-71891
614_256 att-71509
614_256 att-70830
614_256 att-56636
614_256 att-55827
614_256 att-53337