Sem embasamento histórico, série sobre fazendas de café do Vale do Paraíba praticamente ignora o horror vivido pelos africanos escravizados no Brasil do século 19 e perpetua uma narrativa antiquada que silencia a escravidão.

Horror. Não consigo pensar em outra palavra para descrever minha sensação ao assistir à série Fazendas históricas, que a Amazon Brasil acaba de disponibilizar em sua plataforma de streaming. São 10 episódios – cada um sobre uma fazenda do Vale do Paraíba (região localizada entre os estados de São Paulo e Rio de Janeiro) –, aparentemente produzidos sem participação de historiadores profissionais. E eles fazem falta. Mais falta ainda fazem as vozes dos descendentes das pessoas escravizadas, muitos ainda moradores da região.

A série insiste em uma fórmula tão antiquada quanto equivocada: de fazenda em fazenda, os donos contam histórias pitorescas sobre “os áureos tempos do ouro negro, o café” (sic), no século 19. Mostram as casas-grandes, as louças usadas pelos barões, as relíquias que pertenceram à família imperial.

Na narrativa da série, a escravidão é quase um detalhe pitoresco. “Os escravos fujões valiam menos do que os outros”, conta o proprietário da fazenda União, com um meio sorriso no rosto. O problema da abolição, para ele, é ter provocado a decadência do café. Ao mostrar as peças de péssimo gosto do museu de cera, que retrata homens negros e mulheres negras sendo torturados, ele continua, mais ou menos com essas palavras: a escravidão é “infelizmente uma coisa que a gente não pode esconder debaixo do tapete”. A frase é repetida por outros proprietários. Exceção é o proprietário da fazenda Taquara, que protagoniza o último e melhor episódio da série, o único a mencionar o horror vivido pelos escravizados.

Keila Grinberg
Departamento de História,
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-50985
614_256 att-27650
614_256 att-50899
614_256 att-50940
614_256 att-50840
614_256 att-50832
614_256 att-50813
614_256 att-50822
614_256 att-50799
614_256 att-50806
614_256 att-50791
614_256 att-50910
614_256 att-50759
614_256 att-50647
614_256 att-50703

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-78808
725_480 att-75887
614_256 att-74243
614_256 att-64501
614_256 att-72323
614_256 att-74333
614_256 att-73008
614_256 att-71418
614_256 att-56553
614_256 att-55881
614_256 att-54216
614_256 att-53603
614_256 att-52516
614_256 att-51662
614_256 att-50228