Pandemia climática

Estamos perdendo uma calota polar a olhos vistos. O ocaso do Ártico parece um ajuste planetário às novas condições de efeito estufa amplificado pela ferocidade das emissões humanas, principalmente desde o advento dos tempos industriais. O aquecimento global está levando o planeta a temperaturas de milhões de anos atrás, com danos irreversíveis aos ecossistemas. Ainda há tempo para agirmos e evitarmos os piores impactos dessas mudanças climáticas. Mas é preciso urgência.

Embora muitos insistam em desafiar o conhecimento científico, não restam dúvidas de que as mudanças climáticas sejam aceleradas pela ação humana. Segundo o Relatório Especial de 2019 do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), as atividades humanas foram responsáveis por um aumento de aproximadamente 1°C na atual temperatura média do planeta, comparada aos anos pré-industriais, e os mais de 200 cientistas responsáveis pelo relatório estimam temperaturas ainda mais altas após 2030. Isso pode parecer pouco para um planeta tão grande, mas a pandemia de covid-19 demonstra como um aumento de apenas 1°C pode fazer grande diferença no dia a dia de cada um. Afinal, a febre, como sintoma dessa pequena diferença de temperatura corporal, já é suficiente para indicar que o indivíduo carrega uma possível infecção viral.

Rubens T. D. Duarte , Marianne G. Kreusch, Joana C. Lopes e Camila T. Kinasz

Laboratório de Ecologia Molecular e Extremófilos
Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia
Universidade Federal de Santa Catarina

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

Open chat