Jogos de estratégia do mundo real
e geopolítica

O conflito no leste europeu pode ser observado a partir de múltiplos pontos de vista, para cada um deles, a geografia pode fornecer elementos importantes de análise

CRÉDITO: FOTO ADOBE STOCK

A invasão da Ucrânia pela Rússia fez com que o mundo olhasse para as relações entre Estados-nação. Neste contexto, aprendemos mais sobre separatismos, identidade e a importância deles para a formação territorial de um país. Ao fundo, todos os noticiários passaram a falar da geopolítica, ou seja, da relação entre Estados soberanos.

O título da obra do geógrafo francês Yves Lacoste, A geografia, isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra, publicada em 1988, introduz a ideia de que a geografia, principalmente a geopolítica, é fundamental para entendermos conflitos armados de diferentes ordens.

Cabe então diferenciar a geografia política da geopolítica. De forma geral, podemos identificar a primeira como o campo de estudo das relações entre a política e o território, enquanto a geopolítica está preocupada com a relação entre Estados maiores, como definiu o cientista político sueco Johan Rudolf Kjellén (1864-1922).

Na realidade, a institucionalização da geografia política acompanhou a própria formação dos Estados e fronteiras como conhecemos atualmente. Para o geógrafo brasileiro Wanderley Messias da Costa (1950), este processo decorreu do contexto europeu na virada do século 19 para o século 20, com a emergência de grandes potências imperialistas. Assim, o campo passava a estudar a relação entre espaço e poder, através dos territórios.

Logo, para compreendermos a importância da geopolítica, remontamos ao expansionismo característico do imperialismo, que levou à partilha da África e à reorganização do poder entre nações, culminando no período de grandes guerras. O alemão Friedrich Ratzel (1844-1904), considerado o pai da geografia política e da geopolítica, foi um dos pensadores de maior influência no processo expansionista da Alemanha. Por isso, a geopolítica, e a própria geografia política, ficaram marcadas pelos horrores dos conflitos e, de certa forma, perderam o papel central nos debates geográficos.

Se por um lado o pós-Segunda Guerra Mundial marcou a geopolítica enquanto campo de estudos, a intensificação da globalização e dos aparatos técnicos jogou, nos últimos anos, o Estado-nação para o centro dos conflitos mundiais. Assim, contrariando a tese do cientista político estadunidense Francis Fukuyama sobre o fim da história e do próprio Estado, novos conflitos identitários, econômicos e até sanitários reavivam os debates sobre fronteiras, nações e nacionalismos.

Neste caso, é possível observar como o pertencimento dos diferentes grupos em relação ao território permeiam os interesses expansionistas de grandes potências até os dias atuais. Por isso, ao olhar o conflito entre Rússia e Ucrânia, podemos observar a importância da geopolítica enquanto campo de estudo centrado no Estado-nação.

Ao fundo, a relação entre o povo soberano e seu território, assim como a autonomia do Estado ucraniano fazem parte da lógica espacial que rodeia o conflito. Da mesma forma, a reação de outras potências e dos países vizinhos mostram como, no mundo globalizado, as relações geopolíticas se expandem para além dos conflitos bélicos, envolvendo relações econômicas e estratégicas, como no caso dos recursos naturais.

Os conflitos e as mudanças nas relações entre Estados que observamos com perplexidade reafirmam que a Geopolítica, focada no Estado-nação, ainda é central para compreendermos nosso mundo.

Tatiana Lemos dos S. Borges (convidada)
Departamento de Geografia
Instituto de Geociências
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Matéria publicada em 26.04.2022

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

Abrir Chat