Na África, o berço da universidade

Egiptologia eurocentrista apaga protagonismo negro africano da produção intelectual de Kemet, onde nasceu o primeiro centro de altos estudos e foram desenvolvidos escrita, arquitetura, agricultura, medicina e literatura.

Per Ankh era um centro de altos estudos localizado em Kemet, civilização do Norte da África, concentrada ao longo do curso inferior do rio Nilo, área hoje conhecida como Egito. Também chamada Casa da Vida ou Casa de Vida, Per Ankh é anterior a qualquer instituição europeia. Embora dentro e fora do meio acadêmico muitos se debrucem sobre temas relacionados ao antigo Egito, poucos destacam Kemet ou a produção intelectual negra africana.

Kemet significa Terra Negra, uma provável referência aos solos negros férteis das planícies de inundação do Hapi (como o rio Nilo era denominado no antigo Egito) e também em distinção à dita ‘terra vermelha’ do deserto. Kemet se consolidou por volta do ano 3100 a.C., com a unificação política do Alto e do Baixo Egito. Aliás, o nome Egito, derivado do grego Aígyptos, prevaleceu por ser a forma como os europeus adotaram para identificar o país, em lugar do nome que a população local lhe atribuía: Miṣr, de origem árabe.

Carlos Eduardo Dias Machado
Secretaria Municipal da Educação de São Paulo

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

Open chat